Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

investigação

Lava Jato usou estratégia comum no combate ao tráfico para cercar Aécio

Lei das Organizações Criminosas permitiu que chip da PF seguisse dinheiro de senador

  • Agência O Globo
 | ANDRESSA ANHOLETE/AFP
ANDRESSA ANHOLETE/AFP
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Os agentes federais que testemunharam o momento da entrega da dinheiro da JBS a um emissário do senador Aécio Neves (PSDB-MG) deveriam ter prendido o envolvido em flagrante, como manda a legislação ordinária. Porém, em vez disso, preferiram seguir o caminho do dinheiro, monitorado por chips e cédulas numeradas, até o destino final. A estratégia, denominada “ação controlada”, só foi possível por um dispositivo previsto no Artigo 8º da Lei das Organizações Criminosas (Lei nº 12.850, de 2 de agosto de 2013), que autoriza o adiamento da intervenção policial para que os investigadores possam colher provas mais sólidas.

Leia mais: Fachin homologa delação da JBS e nega pedido de prisão de Aécio

Até então, o dispositivo da Lei nº 12.850 mais usado na Lava-Jato e operações derivadas era o Artigo 4º, que estabelece as regras da colaboração premiada. No caso do senador Aécio, o Grupo de Inquéritos Especiais da PF foi auxiliado pela tecnologia para comprovar que o destino final do dinheiro acertado pela JBS com Aécio Neves foi a Tapera Empreendimentos Agropecuários, ligada ao senador Zeze Perrella (PMDB-MG). Como os chips emitem sinais, a PF conseguiu monitorar o caminho das malas de São Paulo até Belo Horizonte. Foram quatro entregas, no valor total de R$ 2 milhões, das quais pelo menos três foram gravadas e filmadas.

Na PF, ações monitoradas são usadas com alguma frequência pelas unidades encarregadas do combate ao tráfico de drogas e organizações criminosas clássicas. No Rio, por exemplo, em investigação sobre a máfia dos caça-níqueis, os agentes permitiram que o contraventor Fernando Ignácio passasse pela Imigração no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro com uma mala carregada de dinheiro porque o objetivo da operação era descobrir quem receberia os valores.

A guerra ao crime do colarinho branco, no entanto, abriu caminho para as ações controladas no rastro das propinas. De acordo com a lei, a prisão pode ser postergada desde que a ação praticada pelos criminosos “seja mantida sob observação e acompanhamento para que a medida legal se concretize no momento mais eficaz à formação de provas e obtenção de informações”. Para isso, não é necessária uma autorização judicial, mas a ação controlada precisa ser previamente comunicada “ao juiz competente que, se for o caso, estabelecerá os seus limites e comunicará o Ministério Público”.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

  1.  | Jonas Pereira/Agência Senado

    melhores e piores

    ‘Salvadores de Aécio’ despencam em ranking que avalia qualidade parlamentar

  2. Plenário do Senado: 54 das 81 cadeiras serão renovadas na eleição do ano que vem. | Marcos Oliveira/Agência Senado

    eleições 2018

    Você vai escolher dois senadores pelo Paraná em 2018. Saiba quem são os pré-candidatos

  3. FHC monta durante a campanha eleitoral de 1994: foto deixa claro que não era um jegue.  | José Varella/Estadão Conteúdo

    ELEIÇÕES

    Beijo na boca, comilança e outros ‘micos’ de políticos em campanha

PUBLICIDADE