Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

crise política

Quem é Joesley Batista, o homem por trás da crise na República

Dono da JBS gravou presidente Michel Temer dando aval para comprar o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha

  • Da Redação
 | AYRTON VIGNOLA/ESTADÃO CONTEÚDO
AYRTON VIGNOLA/ESTADÃO CONTEÚDO
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A mais recente crise do governo Michel Temer (PMDB) tem um novo responsável: o empresário Joesley Batista. Dono da empresa JBS, ele entregou à Procuradoria Geral da República (PGR) gravações que mostram o peemedebista dando o aval para a compra do silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ). No entanto, apesar de ser o grande pivô da denúncia contra o presidente, essa não é a primeira vez que Batista se envolve em escândalos do tipo.

A mais recente delas aconteceu também neste mês de maio, quando Batista se tornou um dos investigados da Operação Bullish, deflagrada pela Polícia Federal (PF) na última sexta-feira (12) e que investiga fraudes e irregularidades em aportes concedidos pelo BNDES. O conglomerado que o empresário preside, a J&F, teria recebido repasses de R$ 8,1 bilhões sem a apresentação de garantias e com a dispensa indevida de prêmio contratualmente previsto. Por conta dessa operação, a fraude teria gerado um prejuízo de R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos.

Joesley também aparece na Lava Jato, que o investiga nas operações Sépsis, Greenfield e Cui Bono. As suspeitas são de que ele teria realizado o pagamento de propina para liberar recursos do FI FGTS e investimentos de fundos de pensão de estatais em suas empresas.

Além disso, a JBS também esteve envolvida nos escândalos do setor alimentício, sendo uma das gigantes citadas pela operação Carne Fraca, revelada no início deste ano. Além de tentar mudar a data de validade de seus produtos, a empresa também foi apontada em um esquema de corrupção entre frigoríficos e fiscais para acelerar a liberação de produtos. Na época, o presidente Temer veio em defesa das empresas dizendo que a operação havia feito um “grande alarde”.

Influência política

A influência de Joesley Batista ia muito além apenas do setor de alimentos. Embora a JBS seja um dos carros-chefes da J&F, o conglomerado ainda tem marcas como Havaianas, dos produtos de limpeza Minuano e do banco Original. E essa participação ativa no ramo dos negócios fez com que o empresário logo aparecesse no cenário político, principalmente ao fazer doações bastante generosas a partidos durante as eleições. Em 2014, por exemplo, doou mais de R$ 50 milhões à campanha da ex-presidente Dilma Rousseff.

E ele logo passou a estender sua influência sobre as decisões do próprio Planalto. Logo após a eleição, quando Dilma nomeou a senadora Kátia Abreu (PMDB) para o Ministério da Agricultura, o empresário foi até Michel Temer demonstrar seu descontentamento com a indicação, principalmente após a então ministra ter dito que a JBS adotava práticas monopolistas.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE