Assinaturas Classificados
Assinaturas

Publicidade

Divulgação

Divulgação / Mobiliário com cadeira ergonômica garante melhores condições de trabalho Mobiliário com cadeira ergonômica garante melhores condições de trabalho
Curso

Pós-graduação em Ergonomia é voltada para diferentes profissionais

Este ano foram abertas novas turmas de Ergonomia voltada para saúde do trabalhador

13/02/2009 | 15:01 |
  • Comentários

Área multidisciplinar, a Ergonomia voltada para saúde do trabalhador tem ganho destaque nos cursos de pós-graduação. A Universidade Federal do Paraná (UFPR) foi pioneira com o primeiro curso de especialização ofertado em Curitiba desde 2002. Neste ano, duas instituições abriram suas turmas de especialização Lactu-sensu: a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e a Universidade Positivo (UP). O Instituto Brasileiro de Therapias e Ensino (IBRATE) oferece um curso básico no próximo mês de março e a Unindus, universidade do Sistema FIEP (Federação das Indústrias do Paraná) abriu sua primeira turma de Ergonomia voltada à indústria em setembro de 2008. As aulas vão até o mês de outubro.

Os cursos são voltados para profissionais de variadas áreas de conhecimento. “Podem ser médicos, engenheiros, arquitetos, psicólogos, fisioterapeutas, administradores, designers, profissionais de educação física. É voltado para pessoas que estejam envolvidos, de alguma forma, com a segurança e saúde no trabalho”, comentou Leandra Ulbricht, coordenadora do curso Ergonomia e Qualidade de Vida no Trabalho, oferecido pelo departamento de Educação Física da UTFPR. “A interdisciplinariedade também está no currículo do curso, porque o problema ergonômico chega até o consultor de forma geral e, para uma avaliação e, propor soluções, é necessário ter uma diálogo com diferentes profissionais da empresa”, completou a coordenadora do curso que tem um ano e meio de duração.

O curso de especialização em Ergonomia da UFPR, com dois anos de duração, também é ofertado pelo departamento de Educação Física. O coordenador do curso, o professor André Rodacki, explica que o curso nasceu no departamento porque os profissionais de Educação Física estudam a Biomecânica, que trata da fadiga provocada por exercícios e esportes que pode ser aplicada ao trabalho. “O nosso curso trata a Ergonomia de maneira geral, completa e complexa. Desde como podem ser feitas intervenções no trabalho, como as pessoas devem se portar nas relações, passando pela psicologia até as epidemias e lesões que o trabalho pode provocar”, comentou Rodacki.

O aumento na oferta dos cursos se explica pela mudança na legislação trabalhista que passou a cobrar, das empresas, planejamento adequado nos ambientes de trabalho para evitar possíveis doenças e lesões nos trabalhadores. A fisioterapeuta Patrícia Rossafa Branco, coordenadora do curso de especialização da Universidade Positivo (UP), com dois anos de duração, lembra que após o decreto 6.042 do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) o chamado Nexo da doença com o trabalho, as empresas passaram a ser responsáveis para provar sua inocência nos casos de ações trabalhistas. “Após o decreto, o ônus da prova passou a ser das empresas que precisam provar que oferecem um ambiente de labor saudável para o funcionário. Até dois anos atrás, antes do decreto, cabia ao trabalhador reunir essas provas. Agora mudou e as empreas que não estiverem enquadradas ao que determina a lei podem ser multadas”, comentou a coordenadora. Na UP o curso é oferecido pelo departamento de Fisioterapia.

A aplicação da Ergonomia é regulamentada pela NR (Norma Regulamentadora) 17 do Ministério do Trabalho e do Emprego. Conforme o texto, a NR 17 “visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente”. A norma estabelece que as empresas, independente do tamanho e ramo de atividade, devem oferecer de maneira adequada o ambiente, mobiliário, boas condições de trabalho e organização das tarefas de trabalho.

Em todos os cursos de pós-graduação em Ergonomia ofertados em Curitiba, os alunos vão sair aptos à realizar laudos ergonômicos, fazer avaliações e propor soluções adequadas com o menor custo possível.

O curso do IBRATE vai preparar os interessados em realizar o laudo ergonômico. Já a primeira turma de formação com Certificação Internacional de Competências em Ergonomia, da Unindus, acontece em parceria com o Conservatório Nacional de Artes e Ofícios (CNAM), da França, por meio do sistema Senai e da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Voltado para aplicação da Ergonomia no ambiente industrial o curso tem um ano de duração.

Serviço: Ergonomia no Trabalho – IBRATE www.ibratescola.com.br . turma em março Telefone: 3225-1844 / 3232-3345

Ergonomia e Qualidade de Vida no Trabalho - Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) www.utfpr.edu.br Telefone: 3310-4615

Ergonomia – Universidade Federal do Paraná (UFPR) www.ergonomia.ufpr.br Telefone: 3360-4333

Ergonomia - Universidade Positivo (UP) www.up.edu.br Telefone: 3317-3000

Certificação Internacional de Competências em Ergonomia para a Indústria – Unindus (Sistema FIEP) www.unindus.org.br Telefone: 3271-7700

      • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
      • QUEM MAIS COMENTOU
      Publicidade
      Publicidade
      «

      Onde e quando quiser

      Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

      Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 69,30 por mês no plano anual.

      SAIBA MAIS

      Passaporte para o digital

      Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

      Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

      CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

      »
      publicidade