Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Estou preocupado com armação sim, mas ainda acho que Temer deve sair

Sabem o que mais odeio no PT? Ele fazer com que sejamos mais tolerantes com bandidinhos “civilizados” como esses caciques do PSDB e do PMDB, pois, afinal, são mais “palatáveis”. O medo do PT – concreto, justificável, absolutamente compreensível – nos leva a essa postura mais negligente com figuras que, em condições normais de temperatura e pressão, seriam execradas por nós. É revoltante…

Com tal desabafo comecei o dia no meu Facebook. Aécio Neves, por exemplo, vem à mente. Com modos mais polidos, uma forma mais digerível, e mesmo um conteúdo claramente menos radical, ainda que à esquerda, o fato é que o senador tucano nos enganou e não merece respeito algum. Sua essência é podre. Mas quando temos como alternativa alguém como Dilma, o que fazer?

Num momento tão delicado como esse, fica até difícil escrever algo que não fique imediatamente datado. Ninguém sabe o que vai acontecer na próxima hora. Por isso adotei uma cautela maior, e tenho preferido comentários pontuais a textos mais longos. Mas não posso deixar de emitir minhas opiniões e análises aos meus leitores. Segue, então, um vídeo que gravei nesta quinta, após ouvir o tão falado áudio entre Temer e Joesley:

Quando soube do teor do áudio ontem, defendi que Temer deveria renunciar. Agora, ao escutar a conversa entre o presidente e o dono da JBS, mantenho minha opinião: Temer tem que sair. Sua situação é insustentável. Comento ainda o áudio asqueroso de Aécio Neves, e a reação cafajeste dos petistas, que serão comprometidos na delação também. Brasília em chamas!

Sim, estou com medo de uma armação para derrubar Temer, apesar de não acreditar na volta do PT. Sim, está claro que Temer caiu numa emboscada. Mas eis o ponto: uma pessoa honesta não cairia. Ele não foi apenas otário; tem o rabo preso. Sim, estou muito preocupado com as reformas. Mas é como escrevi ontem:

Um “empresário” diz numa conversa íntima ao presidente que tem um procurador no bolso, o presidente nada diz e nada faz, e tem gente realmente alegando que não houve nada demais? Vai ser “pragmático” assim lá no PT, ora bolas!

Esse excesso de “pragmatismo” não combina com o liberalismo que defendo, com base em certos princípios inegociáveis. Não dá para fazer como o outro, que disse: “Não há rigorosamente nada contra o presidente na conversa”. Há sim! Isso está claro. Pode ser menos do que a mídia deu a entender com seu estardalhaço e sua histeria. Pode ser menos do que já vimos antes envolvendo outros políticos, que acabaram blindados. Mas é grave sim.

E Temer já não tinha carisma nem popularidade. Não tem mais nada. É pato manco, vai apenas prejudicar o país, as próprias reformas, desviando o foco da atenção, dando oportunidade para os oportunistas de plantão. Comentei nesta quinta:

Eu também temo pelas reformas, mas usar o argumento econômico para poupar Temer soa muito como atitude petista, não? Foram eles que culparam a Lava Jato pela crise, lembram? Precisamos das reformas. Aliás, de reformas bem melhores do que essas. Mas precisamos, acima de tudo, resgatar a ética e acabar com a impunidade. Estou pensando no longo prazo…

E assim termino por enquanto: vamos resgatar a moralidade em nosso país? Se esse é o objetivo, então Temer deve sair. E claro: nada de “diretas já”, menos ainda volta do PT. Se Temer tem de sair, Lula tem que ser preso!

PS: Dito isso, claro que tudo deve ser feito com responsabilidade e que coisas estranhas aconteceram, e devem ser investigadas, como aponta o excelente editorial do Estadão de hoje. Esse trecho merece destaque: “O vazamento de parte da delação do empresário Joesley Batista para a imprensa não foi um acidente. Seguramente há, nos órgãos que têm acesso a esse tipo de documento, quem esteja interessado, sabe-se lá por quais razões, em gerar turbulência no governo exatamente no momento em que o presidente Michel Temer parecia ter arregimentado os votos suficientes para a difícil aprovação da reforma da Previdência”. O Brasil não é para amadores. Há forças poderosas se articulando, e devemos tomar cuidado para não servir de massa de manobra para grupos obscuros.

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito