Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

A família estruturada como antídoto ao mundo das drogas e à crise ética

Quando o assunto é juventude e drogas não há garantias, não existe receita infalível. Mas, sem dúvida alguma, uma família bem estruturada tende a ser um bom começo para proteger o adolescente. Não é preciso ser da Opus Dei para entender isso. Não é necessário ser um carola, um reacionário moralista. Basta ter algum bom senso e não ter sucumbido à campanha “progressista” de destruição do núcleo familiar.

Em sua coluna de hoje, Carlos Alberto Di Franco coloca justamente na família a solução para muitos dos males que têm assolado o mundo moderno. Para ele, “A desestruturação da família está, de fato, na raiz de inúmeros problemas”, deixando de fora os casos de patologias, que seriam as exceções. A regra é mesmo o esgarçamento do tecido familiar:

Os conflitos familiares são, por exemplo, a principal causa que leva os jovens para o mundo das drogas. Embora exista uma série de fatores que podem fazer com que os jovens experimentem as drogas e se viciem (predisposição genética, fatores de personalidade, pressão do narcotráfico), a estruturação familiar é decisiva.

Sobre a importância social da família há volumes alentados, análises e estudos muito ponderáveis. Eu desejaria hoje, concretamente, frisar apenas uma das razões que, a meu ver, evidenciam o nexo de causalidade existente entre família sadia e sociedade civilizada e democrática. Refiro-me ao fato de que, na sociedade, não há nenhum âmbito de crescimento humano e ético, nenhum ambiente educativo, nenhum “coletivo” tão propício e eficaz para o cultivo das virtudes como a família bem estruturada. E isso é de grande importância, levando em consideração que, no mundo atual, cada vez aparece mais evidente que a sociedade precisa do oxigênio vital das virtudes.

E como estão em falta tais virtudes! Vemos, ao contrário, campanhas “progressistas” disseminando relativismo moral, vendendo hedonismo irresponsável, tratando pedofilia como “arte” e buscando uma sexualização cada vez mais precoce. Quais são as referências dos jovens de hoje?

Vários formadores de opinião de esquerda tratam a família como algo sempre problemático, terrível até, fonte de repressão ou hipocrisia. Projetam talvez suas próprias famílias disfuncionais a todos, como se esta fosse a regra, não a exceção.

Acham que primos ou tios “reacionários” são toscos porque não abraçaram a cartilha politicamente correta, retratam as relações familiares como um antro de sexualidade reprimida, bebendo de fontes “lacanianas”, o que é pura “lacanagem”, como diria Merquior. O Natal em família é tido como uma tortura, não um momento importante.

Esses são os principais colunistas de jornais hoje, ajudando a criar uma narrativa que retira a importância da família, quando não a demoniza. Em vez de buscar ajuda para seus problemas pessoais, muitos fruto de famílias desestruturadas, preferem ajudar a desestruturar de vez todas as famílias, numa espécie de vingança infantil. Di Franco conclui:

A crise ética que castiga amplos segmentos da vida pública brasileira, fenômeno impressionante desanimador, tem seu nascedouro na crise da família. A ausência de valores e princípios éticos no âmbito da educação familiar deixa marcas profundas. Os homens públicos não são fruto do acaso, mas de sua história. A virada ética, consistente e verdadeira, começa na família.

Há como discordar?

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito