Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

“Fantástico”, da Rede Globo, trata “identidade de gênero” como algo científico

blog

O “Fantástico” estreiou neste domingo a série Quem Sou Eu?, que “conta histórias de transgêneros em diferentes fases da vida, ressaltando a diferença entre identidade de gênero e orientação sexual. Em quatro episódios, com a ajuda da fábula de ‘Alice no País das Maravilhas’, de Lewis Carroll, a Alice de Quem Sou Eu? vai partir em uma jornada de autoconhecimento e representa todas as pessoas que sentem que nasceram no corpo errado e estão em busca de sua identidade.

A estreia aborda a questão que começa na infância e apresenta crianças que, desde muito cedo, sentem que nasceram no corpo errado. É o caso da Melissa, de 11 anos, que nasceu Miguel. Mel sempre se viu como menina. ‘Pra mim, eu estava fantasiada de menino até 9 anos. Nove anos com uma fantasia quente e pinicante’.”

Não acho errado levantar o debate, mostrar casos de pessoas – até mesmo crianças – que se sentem completamente no corpo errado. Mas acharia melhor abordar esse tema com muita cautela, algo que certamente não é do feitio do programa, cada vez mais populista e “progressista”. Para se enquadrar na cartilha politicamente correta, o programa vai banalizar algo que é um desvio, um distúrbio, e tentará dar ares científicos para o que não passa de ideologia.

O professor Francisco Razzo comentou:

No domingo, o Fantástico vendeu a ideologia de gênero como se fosse uma teoria cientificamente fundamentada. São todos ideólogos usando o filho dos outros como cobaias. O principal furo da ideologia de gênero está em assumir, indiscriminadamente, a distinção radical entre mente e corpo. A pessoa é uma identidade mente-corpo e não um rato de laboratório. E atenção: criticar a ideologia de gênero não implica ódio aos que sofrem os dramas da identidade. Sabe-se lá o grau da dor de uma pessoa em crise. A sua vida interior só não pode servir de propaganda desses papagaios desonestos.

Concordo com ele. Buscar a própria “identidade” é algo que praticamente todo ser humano faz. Quem sou eu? O que quero do meu destino? Qual o sentido de minha vida? São questões básicas que costumam angustiar muita gente. A condição humana é mesmo a da angústia, por excelência. Somos animais racionais, com autoconsciência, com noção da própria finitude, da morte, e o vazio niilista sempre fica à espreita, flertando com a gente.

Daí a banalizar a identidade sexual, como se fosse algo tão trivial como escolher ser um escritor, um médico, um pai de família, um playboy ou um religioso, vai uma longa distância. Fazer da biologia uma tábula rasa é algo absurdo, irresponsável. Tem muito a ver, contudo, com os tempos modernos, a era das ideologias, do narcisismo sem limites, da perda de qualquer autoridade, até mesmo a da biologia. Gregory Wolfe, em A beleza salvará o mundo, diz:

Enquanto a ideologia frequentemente reivindica as certezas de um sistema intelectual absolutista, seus efeitos nas experiências efetivas dos indivíduos tendem a produzir sensações de alienação e desorientação. O projeto moderno, que começou com a elevação do self e a alegação de seu poder quase ilimitado, resultou em um mundo em que o self individual é um fragmento precário, sem ligação com a verdadeira comunidade ou obediência à autoridade legítima.

Tudo passou a ser o “eu, eu, eu”. Se eu quero, se eu acho isso, então tem que ser isso. Se eu penso ser uma menina, então sou uma menina. É o solipsismo acima da realidade objetiva. Agora, e se eu penso ser um gato? Ou um golfinho? Parece piada, e o South Park realmente fez piada com isso, mas é para onde caminha a insanidade, respaldada por ideólogos que bancam os cientistas. Wolfe escreve em outras passagens:

Uma das ideias que emergem do pós-modernismo e mais profundamente influenciaram nossa consciência cultural é a noção de que nossas visões de mundo são “construídas” com base nos alicerces de nossa identidade pessoal – raça, classe, gênero, etnia e assim por diante.

[…]

Quando o homem separa a si mesmo do conhecimento do ser, ele já não participa dele, mas sim procura manipulá-lo para seus próprios fins privados. A partir desta separação inicial, este cisma aboriginal, numerosas seitas surgem, pois o homem agora é livre para rejeitar a existência (niilismo), ver a natureza como uma força cega e determinante (naturalismo) ou proclamar que a mente pode criar a sua própria realidade (idealismo ou solipsismo).

Esse pessoal “moderno” tem tentado se convencer da supremacia da mente sobre o corpo, como se fossem coisas completamente separadas. Pessoas com transtornos, então, escutam que é algo absolutamente normal se sentir de outro gênero, pois o próprio gênero é apenas uma “construção social”. Em vez de buscar ajuda, de tentar compreender melhor suas questões, essa gente está sendo incentivada a encarar com naturalidade a situação, e cada vez mais cedo. Quem diz que se trata de um desvio é preconceituoso, reacionário.

Só tem um problema: todo o esforço de banalização de um caso assim não vai fazer a angústia desaparecer. Ao contrário: ao retirar o “sentido trágico da vida”, como diria Miguel de Unamuno, aquele que está em uma posição ainda mais sensível do que o normal pode muito bem surtar de vez, pois lhe foi prometida uma fuga fácil (“basta acreditar que é do outro gênero e realizar uma cirurgia que tudo ficará bem”), mas tal promessa é irreal e impossível. Considero até cruel com quem é vítima desse transtorno uma abordagem tão anticientífica e ideológica como essa.

PS: O leitor Felipe Pavan apontou a gritante incoerência dessa turma “progressista”: “Com 4 anos já pode decidir o sexo que deseja externar, mas com 17 não pode responder criminalmente pelas próprias decisões. Essa é a lógica atualmente imposta à sociedade”. Como negar o absurdo dessa postura tão comum na esquerda?

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito