Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Ganhei minha aposta feita em Privatize Já: os países que mais se liberalizaram foram os que mais avançaram no IDH

“Se colocarmos o governo federal para cuidar do deserto do Saara, faltará areia em cinco anos.” – Milton Friedman, frase usada na epígrafe de Privatize Já.

Depois de mensalão e petrolão, de JBS e BNDES, só mesmo muita cegueira ideológica para justificar alguém ser contra as privatizações. Basta o anúncio da intenção de vender parte da Eletrobras, por exemplo, para a empresa ganhar quase R$ 10 bilhões de valor de mercado em um só dia! O Ibovespa passou de 70 mil pontos hoje por conta da forcinha das ações da Eletrobras:

Como alguém ainda tem coragem de se colocar contrário às privatizações? Como a boa teoria liberal sempre explicou o óbvio, corroborado pela prática, terminei meu livro Privatize Já, de 2012, com uma aposta:

Pois bem, lá fui eu fazer os cálculos, mesmo sem o ano ter terminado. Já dá para ter uma boa ideia do resultado. Antes, porém, um caveat: todo indicador é imperfeito, ainda mais um como o IDH, que tem muito fator subjetivo. Além disso, esses índices levam tempo até se ajustar à realidade dos países.  Há um lag, uma defasagem. Logo, claro que não podemos tratar isso como ciência exata.

Dito isso, o resultado mostra como eu estava certo. Eis os países que mais regrediram na liberdade econômica, medida pelo Heritage Foundation:

Barbados
Venezuela
Moçambique
Líbano
Mongolia
Espanha
Egito
Brasil
Madagascar
El Salvador

Sim, nosso ilustre Brasil está na lista, tendo caído cinco pontos inteiros no índice de liberdade econômica. Valeu, PT! Obrigado, Lula e Dilma! Nesses últimos anos ficamos bem menos livres, e isso explica em parte a desgraça econômica que estamos vivendo hoje. Em contrapartida, eis os países que mais avançaram na liberdade econômica:

Georgia
Russia
Guiana
Malásia
Emirados Árabes
Filipinas
Latavia
Belarus
República do Congo
Zimbábue

Lembrando que não estamos falando de patamar absoluto, e sim da mudança relativa de 2012 a 2017. Quando analisamos as variações no IDH desses países, de 2012 a 2015 (último dado disponível), eis o que temos: os países que se tornaram mais livres no período ganharam 0,0128 ponto na média no IDH, enquanto os países que se tornaram menos livres ganharam na média apenas 0,00734 ponto. Quando avaliamos pela mediana, a diferença é de 0,0125 ponto para 0,0075 ponto.

Ou seja, os países que melhoraram na liberdade econômica tiveram um avanço dois terços acima do avanço dos que pioraram na liberdade econômica, em apenas três anos! Se usarmos a média simples, o salto é ainda maior: 74%!

Outra forma de analisar é comparar o avanço percentual de cada país, já que por ponto pode ser injusto. Se um país que tem índice baixo ganha 0,2 ponto no índice, isso não é o mesmo que um país com índice alto avançar os mesmos 0,2 ponto.

Quando ajustamos dessa forma, eis o que temos: os países que mais perderam liberdade econômica conquistaram apenas 1,16% de incremento no IDH, na média, contra 2,16% de ganho dos que ampliaram a liberdade. Em outras palavras, os países que liberalizaram mais cresceram quase o dobro no IDH daqueles que estatizaram mais, em apenas três anos.

Uma última análise, que não estava na aposta, mas serve para ilustrar a discrepância dos ganhos entre os dois grupos de países, é comparar o crescimento estimado de 2016 para suas economias, com base no World Factbook da CIA. Os países que mais estatizaram no período devem ter um crescimento de apenas 0,55% na média, contra 2,19% de crescimento médio dos que mais liberalizaram. A Venezuela, que virou socialista de vez nesse período, deve ter um recuo superior a 10% em sua economia em 2016!

Parece inegável que aumentar a liberdade econômica produz saltos qualitativos na vida da população em pouco tempo. O exemplo mais gritante é a Venezuela, que despencou em liberdade econômica, fechando-se de vez ao mundo e ao setor privado, caindo mais de 11 pontos no índice de liberdade econômica. Seu IDH de 2015 claramente não pega ainda a desgraça total em que o país mergulhou agora.

Um amigo meu, empresário liberal gaúcho, defende a ideia de que o Brasil merecia um instituto cujo único objetivo fosse fazer o país avançar no índice de liberdade econômica, de forma obsessiva. Uma só meta a seguir. Faz sentido: para tanto, seria preciso privatizar mais, abrir os mercados, reduzir o protecionismo, retirar obstáculos à entrada de novos bancos e empresas estrangeiras, diminuir a burocracia etc. Enfim, abraçar o liberalismo.

E sabemos que o resultado seria incrível. A boa teoria diz isso, toda a experiência comprova. É o livre mercado que produz riqueza, não o governo. É a livre concorrência que gera prosperidade, não os bancos públicos de fomento. É a competição com base no lucro que traz o progresso, não os recursos naturais.

Infelizmente, não estou tão otimista com o lado perdedor da aposta cumprir sua parte. Sabemos que os fatos não importam tanto para quem só vive de ideologia ou por interesses imediatistas. Privatizar é o caminho, isso está claro. Mas a esquerda vai continuar pregando o atraso, seja por fé ideológica, seja para preservar a sua teta estatal, a sua mamata.

Teremos que avançar apesar da esquerda, como sempre…

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito