Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

O responsável pelo atentado foi o terrorista ou o caminhão?

blog

Por Lucas Berlanza, publicado pelo Instituto Liberal

Na famosa franquia de 1984 da Hasbro, Transformers, dois grupos de robôs alienígenas do planetaCybertron, os Autobots e os Decepticons, se enfrentam em uma guerra que acaba chegando ao planeta Terra. A marca já rendeu bonecos, desenhos animados e uma série de filmes barulhentos e visualmente esfuziantes sob a batuta de Michael Bay. Os robôs se transformam em veículos como os que temos em nosso mundo para se disfarçar. O líder dos Autobots, o nobre e justo Optimus Prime, se metamorfoseia em um potente e colorido caminhão.

Como se costuma dizer que a vida imita a ficção, versões malignas de Optimus Prime parecem estar agindo na Terra com o propósito misterioso de provocar atentados terroristas. Os únicos que sabem disso e transmitem a informação ao público em geral são os nossos jornalistas. Senão vejamos: no dia 19 de dezembro passado, segundo o G1, um caminhão invadiu uma feira de Natal em Berlim, deixando mortos e feridos. Ao menos é o que se depreende da manchete, onde se lê “caminhão invade feira”. Já neste começo de ano, segundo outra manchete, um caminhão atropelou pedestres e deixou pelo menos 4 mortos em Israel. “É apenas uma figura de linguagem”, poderão argumentar. Suponhamos que eu concorde com essa justificativa; a cada vez fica parecendo mais nítido que o que se fala sobre o esforço pela “objetividade” na reportagem dos fatos em um noticiário nas faculdades de Jornalismo passa perto da balela. Que tipo de esforço de “objetividade” há por parte de quem usa figuras de linguagem em uma manchete de uma notícia sobre um ATENTADO TERRORISTA?

Generosamente concedendo aos nossos jornalistas o benefício da dúvida e assentindo em que esse uso vocabular questionável pode não ter motivações perniciosas, só nos resta levantar outro fato para analisar o problema: a fuga da realidade, para eles, já se tornou automática a tal ponto que se naturalizou nos seus textos. É de praxe; diante da manifestação mais cruenta e palpável do mal sobre a Terra, a mentalidade de esquerda, que predomina na mão-de-obra dos nossos veículos de comunicação, é imediatamente escapista. Execução a tiros de jovens e crianças em escolas nos Estados Unidos ou no Brasil? A culpa é das malditas armas, esses revólveres malignos, ou até das facas – como sugeriram lideranças políticas do Rio de Janeiro ao pretender proibir as “armas brancas”. Criminalidade? A culpa é da “pobreza”, da “cor da pele”, da “classe social”. TERRORISTAS ISLÂMICOS provocam atentados no coração da Europa e em Israel? A culpa é dos Transformers. Quando não temos objetos como culpados, temos abstrações da verborragia etérea dos socialistas e dos relativistas morais pós-modernos; quando não temos abstrações, então ficamos com os revólveres, facas e caminhões.

Enquanto os jornais e as grandes vozes viverem dentro de um filme de Michael Bay, a realidade continuará se amontoando em sangue, sem que as raízes do problema e os verdadeiros criminosos sejam apontados. Diferentemente do que ocorre na ficção, em nosso mundo, o mal moral é exclusividade dos seres humanos; é para eles que devemos apontar. Atacando o imponderável, só atingiremos o imponderável, e viveremos presos a uma doce e progressista ilusão. Já a realidade, esta não terá paciência no aguardo do nosso despertar…

Nota: Artigo publicado originalmente com o título “O Ataque dos Caminhões Assassinos” no site Sentinela Lacerdista

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito