Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Os socialistas ainda vão insistir no mito da saúde coletivista?

Pacientes alojados no corredor do hospital venezuelano, com falta de equipamentos e escassez de água. Fonte: GLOBO

Pacientes alojados no corredor do hospital venezuelano, com falta de equipamentos e escassez de água. Fonte: GLOBO

A esquerda vive de mitos, não de fatos. Um deles, dos mais repetidos, diz respeito à boa qualidade da saúde cubana. Uma mentira grotesca, claro. E ao repetir o modelo cubano, a Venezuela pode atestar o caos do sistema socialista também na saúde. Essa notícia de hoje ilustra o desespero da situação no país socialista:

A crise econômica que venezuelana atingiu em cheio o sistema de saúde do país. Os casos de mortalidade infantil aumentaram e, nos hospitais locais, o cenário é catastrófico: equipamentos desaparecem, remédios só podem ser obtidos no mercado negro e muitos centros de tratamento são obrigados a trabalhar apenas dois dias por semana, numa tentativa de economizar a pouca eletricidade que ainda resta.

— Me sinto no século XIX — afirma Christian Pino, cirurgião no Hospital dos Andes, em Mérida, onde médicos se veem obrigados a lavar as mãos com garrafas de água com gás, já que as obsoletas bombas que levavam água ao hospital universitário explodiram e não puderam ser reparadas.

Os números são devastadores. De acordo com um relatório elaborado por deputados, o número de mortes entre bebês menores de um mês aumentou em mais de cem vezes nos hospitais públicos comandados pelo Ministério da Saúde, ultrapassando 2% em 2015. Em 2012, esse índice era de 0,02%.

Na cidade caribenha de Barcelona, o hospital Luis Razetti não conta com um equipamento de raio-x ou máquinas de hemodiálise. Esses equipamentos nunca foram consertados. Pessoas levadas de ambulância são obrigadas a lidar com a falta de tanques de oxigênio e, uma vez no hospital, veem-se diante de um cenário semelhante a de hospitais de campanha próximos ao campo de batalha: não há leitos, e pacientes são obrigados a deitar no chão, sobre poças de seu próprio sangue.

— Alguns chegam aqui saudáveis e saem mortos — diz Leandro Pérez, médico-residente no hospital.

[…]

No entanto, o presidente foi à TV e rejeitou a oferta, descrevendo a medida como uma tentativa de minar seu governo e privatizar a saúde do país.

— Duvido que em qualquer lugar do mundo, exceto em Cuba, exista um sistema de saúde melhor que o nosso — afirmou Maduro.

Claro. Apenas a saúde cubana supera a venezuelana. Assim como somente os ditadores Castro superam Maduro em honestidade. Para quem não acredita em duendes e fadas, eis o retrato verdadeiro da saúde socialista, aquela que muita gente quer adotar de vez no Brasil: uma tragédia. Falta o básico, pessoas morrem por total descaso, falta de remédios, e infraestrutura. O socialismo é um fracasso em todas as áreas.

Mas em breve a Venezuela de Maduro poderá exportar alguns “médicos” e mostrar ao mundo como tem uma saúde pública de primeira, enquanto a população sofre em condições precárias e doentes morrem por coisas banais…

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito