Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Por que Lula está certo ao falar em “queremismo”?

blog

Por Lucas Berlanza, publicado pelo Instituto Liberal

Em mais de um veículo relevante, como UOL, Exame, Estadão e Jornal do Comércio, encontramos esta semana basicamente a mesma notícia: Lula vê “queremismo” e diz que será candidato.

Acreditando nas pesquisas – frisamos, sempre duvidosas, como já estamos “carecas de saber” – que mostram ainda índices respeitáveis de popularidade de seu nome, o ex-presidente Lula estaria reafirmando que a Lava Jato tem excessos, destacou que as delações já reveladas e ainda por vir impactam “todos os partidos” e que isso tudo, junto a um insucesso do governo Temer por produzir resultados rápidos de melhora econômica, desencadearia um movimento “queremista” desejoso de seu retorno ao poder. Não acredito e não quero acreditar nesses números, embora não me negue a admitir que ainda existem órfãos do lulismo no país. Contudo, preciso reconhecer que Lula, se foi ele mesmo a usar a expressão, nunca foi tão feliz em um comentário quanto quando batizou o suposto desejo de seu retorno ao poder de “queremismo”.

A expressão “queremismo” tem seu lugar tradicional no vocabulário histórico-político brasileiro. Entre 1937 e 1945, o Brasil viveu sob o tacão de uma completa e sórdida ditadura, o Estado Novo, capitaneado por Getúlio Vargas – que, na realidade, já estava no poder desde antes, a partir de 1930. Mediante o populismo, o arbítrio, a censura e o controle da propaganda como nunca antes visto, Vargas dominou o país e anestesiou em tristes e consideráveis quantidades as consciências brasileiras. Quando o Brasil batalhou na Segunda Guerra Mundial contra a tirania nazi-fascista na Europa, os grupos militares e algumas expressões da sociedade civil experimentaram a contradição em que a nação se encontrava, ao lutar pela liberdade humana no exterior enquanto consagrava a tirania em seu próprio território. A pressão por uma Constituinte surgiu.

Apesar disso, foi necessária uma pressão militar para que Getúlio saísse do poder e a Constituinte de 1946 acontecesse. Trabalhistas, comunistas, movimentos populares se manifestaram desejando a sua PERMANÊNCIA. Queriam que, no mínimo, o ditador – que deveria ser PUNIDO pelo seu incessante desprezo por quaisquer liberdades constitucionais – fosse candidato à presidência em uma eleição. Esse movimento, que queria a continuidade de Getúlio, com toda a ditadura, com todo o autoritarismo, com todo o cerceamento da liberdade e da oposição, foi o que ficou conhecido, justamente, como “Queremismo”. O Queremismo, naquele momento, fracassou em atingir o objetivo imediato, mas obteve um sucesso definitivo: o Estado Novo acabou, porém seu autor permaneceu ileso, apenas precisando passar um tempo em sua fazenda em São Borja; através do PSD e do PTB, a estrutura de poder forjada dentro do regime permaneceu no protagonismo da política do país, totalmente viciada, e o populista gaúcho voltou à presidência apenas cinco anos depois. Muitas características do Estado Novo permanecem a atrasar o Brasil até hoje – afinal, como diria Carlos Lacerda, o Brasil precisava passar por uma “desvarguização”, tal como a Alemanha de Hitler passou por uma “desnazificação”, e isso infelizmente não ocorreu.

Pois muito bem: isso prova que a comparação de Lula não poderia ser mais justa. Em 1945, anestesiado, ludibriado ou, é claro, mal-intencionado, um contingente da população brasileira cerrou os olhos à moral, ignorou princípios e valores supremos, abandonou a razão e desejou que a ditadura fosse premiada. É exatamente o que querem os supostos “queremistas” de hoje, ao desejarem o retorno triunfal de Lula da Silva. Quem o deseja não se importa com o desenho tirânico de poder que o Partido dos Trabalhadores arquitetou, com sua aliança ideológica e obtusa com os mais sórdidos autocratas do continente, com os escândalos de corrupção e com todas as denúncias de crimes obviamente capitaneados pela figura esfarrapada daquele líder sindicalista que acreditou ser o dono do Brasil – assim como Getúlio parecia se julgar. Não; prefere devaneios, prefere jogar ao léu os valores mais essenciais apenas para seguir alimentando um mito e uma ideia que já apodreceram.

O Queremismo de Vargas e o Queremismo de Lula são, portanto, bem dignos de ostentar o mesmo nome. Esperamos, porém, que este último vá além do primeiro… Que não atinja, também, o seu objetivo, e não devolva Lula a um cargo que jamais deveria ter ocupado, o que lançaria sobre o Brasil teia incalculável de vergonha; mas que, para além disso, seu personagem central seja, ao contrário de Vargas, definitivamente sepultado, sem qualquer chance de estabelecer o paradigma político-cultural do futuro. Merecemos mais do que isso.

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito