Blog / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Sem categoria

Propor aumento de imposto num país como o Brasil é simplesmente indecente e imoral

ralo fiscal

“Os governos nunca quebram. Por causa disso, eles quebram as nações.” (Kennet Arrow)

A sequência é conhecida: governantes populistas e irresponsáveis gastam mais do que podem, endividam seus estados ou o governo federal e, depois de quebrarem seus estados, alegam que a única saída é aumentar os impostos. Essa turma se recusa a cortar na carne, a reduzir gastos públicos, despesas desnecessárias ou defender reformas estruturais. A saída proposta é sempre e invariavelmente a mesma: avançar sobre o bolso do pagador de impostos.

Vejam o caso do Rio Grande do Sul. O estado quebrou após a gestão incompetente de Tarso Genro. E agora, o governador José Ivo Sartori resolve quebrar promessa de campanha e propor aumento de impostos. Faz isso como se estivesse contrariado, como se não houvesse alternativa, como se fosse a única medida possível para continuar pagando os servidores públicos.

“O remédio é amargo, muito amargo. Mas o estado está na UTI e momentos assim exigem verdade. Também sou contra medidas assim (aumento de impostos), também poderia dizer que tenho contrariedade. Fizemos de tudo para evitar, mas o estado vive situação de emergência e precisa do ingresso urgente de dinheiro no caixa para cumprir as obrigações mais essenciais em 2016. Este ano, infelizmente, ainda vamos conviver com muitas dificuldades, problemas muito sérios”, justificou o governador.

Fizeram de tudo para evitar uma ova! Alguém realmente acha que os estados brasileiros e o governo federal possuem estruturas enxutas, gastos responsáveis, postura austera? Piada! Temos governos perdulários, quadro inchado de servidores, privilégios, mamatas, muitas tetas alimentando muitas boquinhas. Mas mexer nisso esses governantes não querem, pois geraria a revolta dos grupos organizados de interesse. Melhor subir impostos e diluir o fardo entre todos os trabalhadores…

Nosso estado já arrecada quase 40% de tudo o que produzimos, mas acha pouco! O que entrega em troca? Ótimas estradas, hospitais modernos, segurança, escolas de primeira? Pausa para gargalhar. Mas vem crise, sai crise, e tudo que os governantes conseguem é defender mais impostos. Inclusive com o apoio de um Ph.D. de Chicago, para provar que quem tem apenas um martelo, só enxerga prego na frente.

O editorial da Folha de hoje falou do PIS/Cofins, mostrando como nosso sistema tributário é “canhestro” após uma “evolução” gradual governo após governo. O jornal traça um paralelo com certas características estranhas de alguns bichos, resultado de uma evolução nem sempre favorável, e diz:

Algo semelhante se deu com nossos impostos, cujas alíquotas se esticaram com o propósito de alcançar melhor o bolso do contribuinte. Destaca-se, nesse monstrengo, o pescoção do PIS/Cofins. […] Trata-se de tributo punitivo para a produção de bens, pois incide sobre o faturamento das empresas, e não sobre o lucro. Além disso, um emaranhado de regras permite compensar determinados créditos relativos a custos acumulados pelas firmas ao longo da cadeia produtiva; muitas terminam por não reclamá-los como poderiam.

Como mais uma demonstração de fome insaciável por nossos recursos, os governadores resolveram “retaliar” o governo federal, que teria fechado um pouco a torneira. E eis como decidiram reagir: querem aumento de impostos sobre herança de imóveis. Também está em estudo, embora ainda sem decisão final, propor ao Congresso a fixação de uma alíquota mínima de 18% para o ICMS que incide sobre a venda de diesel. Bela reação: quem paga o pato é, claro, o trabalhador de classe média, como sempre.

Do lado desses governantes estão todos aqueles que vivem das tetas estatais, enquanto do outro lado estamos nós, pagadores de impostos que sustentamos a farra toda. Em sua coluna de hoje na Folha, Reinaldo Azevedo fala dessa disputa, descrevendo o que está por trás do combate ao “ajuste fiscal” daquela turma vermelha que foi às ruas nesta quinta (dia útil, para provar que não trabalham mesmo):

Pois é… Embora muitas pessoas tenham dito para si mesmas e para os outros, no domingo passado, que não podem ser obrigadas a arcar com o custo da irresponsabilidade petista, a quase todos era claro que o ajuste fiscal é necessário; que ele é a correção fatal das bobagens feitas pelo petismo. Vale dizer: não batemos panela, bumbo ou boca contra o ajuste fiscal. Mas contra Lula, o boneco inflado, e contra Dilma, a Lírica da Mandioca, que não sabe cortar gastos nevm fazer… ajuste fiscal!

Quem grita contra o que faz sentido no governo é Guilherme Boulos, o coxinha predileto das tias –”Que menino opinioso!!!”. Quem faz isso é João Pedro Stedile, o sem-terra a quem a enxada provocaria um choque anafilático. Mobilizar-se contra a correção necessária dos desmandos do Estado hipertrofiado é coisa de mamadores oficiais; de gente que depende dele para alimentar as suas taras de classe, ainda que tomadas de empréstimo, como no caso dessa dupla.

Ou por outra: quem quer Dilma fora da cadeira presidencial defende a única coisa que pode fazer algum sentido em Dilma. Os que a querem onde está a consideram uma vira-casaca, mas ela ainda é a melhor garantia do Estado-babá, que vai mantê-los alimentados com o leite de pata estatal. E aí está a esquizofrenia.

[…]

Nós, os antiesquerdistas, vencemos. Não queremos nada pra nós. Nem sinecura nem caraminguás. Só lutamos pelo triunfo da matemática. Os outros apenas imploram para viver, vencidos pela evolução da espécie.

Boulos, Stedile e companhia só querem tetas estatais, pois têm verdadeira ojeriza ao trabalho. Mas não seria tão otimista quanto Reinaldo Azevedo a ponto de decretar que tais espécies foram vendidas pela evolução. Como vimos acima, a “evolução” tem seus truques, e certas características bizarras podem se desenvolver como instrumento de sobrevivência e até prosperidade.

Num país como o Brasil, esses bichos estranhos, que nunca trabalham e só falam em nome do povo, dos pobres e dos trabalhadores enquanto mamam nas tetas estatais, não só sobreviveram como desfrutam de verbas cada vez mais polpudas. São elas que estão ameaçadas agora, com a crise causada pelo excesso de irresponsabilidade da esquerda no poder.

Mas quem está disposto a afirmar que a saída será menos privilégios para os bichos estranhos, para as cigarras “raivosas”, e não mais carga tributária para as formigas trabalhadoras? Tudo indica que o “ajuste fiscal” que tem predominado não tem nada de ajuste real, que cortaria na carne tantos gastos inúteis dos governos, e sim, uma vez mais, aumento de impostos. Chega a ser indecente e imoral falar em mais impostos num país como o nosso.

Mas ei, indecência e imoralidade é com essa turma mesmo, pois essas são suas armas de sobrevivência nessa “evolução” da espécie. Até o dia, claro, que teremos tantos parasitas para tão poucos hospedeiros que o organismo como um todo acusará o golpe fatal, levando junto os próprios parasitas…

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino
Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito