Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Quais os efeitos econômicos da eleição de Donald Trump sobre o Brasil?

blog

Por Adolfo Sachsida, publicado pelo Instituto Liberal

Quais serão os efeitos econômicos de Donald Trump sobre a economia brasileira? De maneira curta e grossa, não haverá nenhum efeito significante. Sejamos claros, é muito pouco provável que a economia brasileira sofra qualquer problema em decorrência da eleição de Trump.

Trump quer rever acordos comerciais. Contudo, que acordo comercial com o Brasil ele quer rever? Que eu saiba nenhum. A balança comercial entre Brasil e EUA favorece a economia americana, por que motivo Trump iria querer rever isso? A rigor existe um único canal onde uma decisão dos EUA pode afetar negativamente o Brasil: o aumento das taxas de juros americanas promovida pelo Banco Central americano. Contudo, tal decisão de aumento da taxa de juros americana tem muito pouco a ver com a eleição de Trump. Logo, o aumento das taxas de juros nos EUA pode trazer problemas sérios para o Brasil. Contudo, tal aumento de juros é uma decisão de um banco central com razoável grau de independência, e que é pouco afetada pelo presidente eleito.

Os grandes problemas brasileiros são todos internos a nossa economia: crise fiscal, baixa produtividade, complexidade do sistema tributário, baixa inserção na economia internacional, leis trabalhistas arcaicas, incentivos microeconômicos mal alinhados, uma violência urbana que bate recordes a cada dia que passa, entre outros.

Claro que você pode argumentar que Trump representa insegurança. Contudo, pergunto eu: Hillary e sua intervenção na Síria representariam menos insegurança?

O Aumento da Taxa de Juros nos EUA e o Inverno de Nossa Desesperança

Amigos, não sei mais o que fazer. Há quanto tempo alerto sobre os problemas sérios da economia brasileira? A PEC 241/55 é no máximo um remendo, um curativo que impede o sangramento mais pesado por algum tempo. Ela é certamente necessária, mas longe de ser suficiente para sanar nossas contas públicas.

Eu alertei diversas vezes que o governo Temer teria uma “Janela de Oportunidades”, onde contaria com apoio parlamentar, paciência da população, e a boa vontade do mercado. Essa janela dura até o final do ano, e o final do ano está chegando… o Brasil precisa de três reformas urgentes: previdência, legislação trabalhista, e legislação de concessões e privatizações. Sim, existem várias outras reformas necessárias (tributária, redução na burocracia para abertura de empresas, federalismo, licitações, etc.). Mas as reformas urgentes precisam de prioridade máxima.

Depois de muito tempo num patamar mínimo histórico, tudo leva a crer que as taxas de juros dos Estados Unidos voltarão a subir em dezembro. Com isso teremos uma sequência de aumentos nas taxas de juros mundo a fora, o que inevitavelmente levará ao aumento nas taxas de juros brasileiras. Esse aumento irá pressionar ainda mais a já combalida situação fiscal brasileira.

Amigos, o Brasil precisa das reformas urgentes que mencionei. Se não fizermos isso as contas públicas irão colapsar, a inflação poderá voltar forte, e o mercado de trabalho ficará estagnado. Um grande programa de privatização/concessão de empresas trará um alívio de caixa e uma redução na dívida pública. Uma grande reforma na previdência possibilitará o tempo necessário para que a PEC 241/55 surta efeito (sem a reforma da previdência essa PEC é insustentável). Por fim, uma modernização da legislação trabalhista trará empregos para a população.

O Brasil está a beira do precipício. O aumento das taxas de juros nos Estados Unidos pode nos jogar numa situação similar a que enfrentamos no começo dos anos 1980. O Brasil precisa das reformas, e atrasar tais reformas não irá nos ajudar, pelo contrário, irá aumentar o custo dos ajustes. Em defesa dos mais pobres eu imploro ao governo: não atrase ainda mais as reformas de que o Brasil precisa! Chega de se curvar a lobbies de sindicatos e de ter medo de partidos que adotam a tática do quanto pior melhor.

OBS: infelizmente acho que quando o inverno chegar o governo vai querer culpar o Trump. Vai dizer que o aumento das taxas de juros foi culpa do Trump… não, não foi. O aumento nas taxas de juros americanas já são esperados ha muito tempo. Foi o Brasil que decidiu não se preparar para isso.

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito