Blog / 

Rodrigo Constantino

Um blog de um liberal sem medo de polêmica ou da patrulha da esquerda “politicamente correta”.

Artigos

Terrorista islâmico vira simplesmente “atacante” para jornais

Terrorista muçulmano morre ao tentar roubar fuzil de soldado na França.

Terrorista muçulmano morre ao tentar roubar fuzil de soldado na França.

É um espanto acompanhar a busca por eufemismo dos jornais na era do politicamente correto. Um terrorista islâmico tenta roubar o fuzil de um soldado no aeroporto de Orly, na França, e acaba morto, felizmente. Como a mídia trata de mais esse caso envolvendo a “religião da paz” e o terrorismo? Descobrimos um novo termo para designar esse tipo de terrorista: “atacante”. Vejam como o jornal carioca deu a notícia:

blog

Mas não pensem que foi apenas ele. O Sapo, de Portugal, assim como outros jornais, também embarcaram na mesma onda, que fica parecendo até coordenada:

blog2

“Pai do atacante” e não é notícia sobre o Messi ou o Cristiano Ronaldo? Suspeito, no mínimo suspeito. Por que não chamá-lo logo de terrorista, o que resume de forma bem mais acurada o ato que o homem muçulmano tentou executar? Atacantes marcam gols. Terroristas tentam roubar o fuzil de um soldado para sair atirando e matando inocentes num aeroporto. Não?

Guilherme Macalossi comentou: “Antigamente, atacante era uma palavra usada para designar o jogador de futebol que atuava na área adversária em busca de gols. Hoje, segundo o vocabulário acovardado do jornalismo, virou substitutivo politicamente correto de terrorista islâmico”.

E Alexandre Borges teve uma tirada sensacional:

blog2

Por que os jornais estão tão acovardados? Por que se submeter tanto ao politicamente correto? Com receio de fomentar a “extrema-direita”, esses jornalistas acabam fazendo justamente isso: estimulando uma revolta cada vez maior que só favorece os partidos nacionalistas com discurso xenófobo.

A culpa da ascensão de Le Pen e companhia é da esquerda, do multiculturalismo, do politicamente correto, do relativismo moral. As pessoas comuns veem esses absurdos, sentem-se ameaçadas e notam que a mídia sequer consegue chamar as coisas por seus nomes, e só percebe segurança e sinceridade em quem fala grosso, mais firme, e promete protegê-las desses malucos assassinos.

Do outro lado, a turma “do bem”, muito descolada e “tolerante”, repete que o Islã é a “religião do bem”, que os terroristas são “lobos isolados” e que sequer são terroristas, pois são “atacantes”, quando os verdadeiros assassinos não são objetos inanimados, como facas, bombas ou caminhões, que saem matando a esmo por aí.

Depois esses mesmos jornais fazem campanha contra a “fake news”. Aí é de lascar mesmo!

Rodrigo Constantino

PUBLICIDADE

Sobre / 

Rodrigo Constantino

Economista pela PUC com MBA de Finanças pelo IBMEC, trabalhou por vários anos no mercado financeiro. É autor de vários livros, entre eles o best-seller “Esquerda Caviar” e a coletânea “Contra a maré vermelha”. Contribuiu para veículos como Veja.com, jornal O Globo e Gazeta do Povo. Preside o Conselho Deliberativo do Instituto Liberal.

Saiba Mais

Arquivos

informe seu email e receba nosso conteúdo gratuito