PUBLICIDADE
Pela segunda vez em menos de um mês o HC cancela as consultas eletivas. Há pouco dias, a paralisação foi dos médicos |
Pela segunda vez em menos de um mês o HC cancela as consultas eletivas. Há pouco dias, a paralisação foi dos médicos
Greve

Consultas no HC de Curitiba estão suspensas

Somente os casos de emergência e os tratamentos oncológicos serão mantidos a partir de hoje. Motivo é a greve dos servidores, parados há duas semanas

Texto publicado na edição impressa de 25 de junho de 2012

O Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Pa­raná (UFPR), em Curitiba, não fará consultas eletivas (aquelas que não são urgentes), a partir desta segunda-feira (25). Com a paralisação, cerca de 1,3 mil pacientes deixam de ser atendidos e aproximadamente 600 exames serão cancelados diariamente. O motivo da paralisação é a greve dos servidores técnico-administrativos, movimento que atinge a área de exames de diagnóstico. Com a falta desses exames, os médicos não conseguem fazer o devido atendimento aos pacientes.

Esta é a segunda vez em menos de um mês que ocorre o cancelamento dessas consultas. Há pouco mais de dez dias, os médicos do hospital também paralisaram temporariamente as atividades em protesto contra a Medida Provisória n.º 568 de 2012, que trata da remuneração e da jornada de trabalho de profissionais federais de saúde. Ao todo, desde o mês de maio, o Hospital de Clínicas já parou por pelo menos 20 dias, intercalando greves de médicos e técnicos.

Os pacientes que não conseguirem se consultar devem procurar o HC após a greve. Somente os casos de emergência serão atendidos durante a paralisação, assim como os pacientes em tratamento quimioterápico e oncológico – o hospital recomenda que essas pessoas entrem em contato com suas clínicas para outras orientações. A direção do hospital não esclarece se os pacientes sem atendimento irão ou não para o final da fila de espera. Por causa da gradativa paralisação dos técnicos, há cerca de duas semanas o hospital deixou de agendar novas consultas e retornos. “Com isso criamos uma lacuna de alguns meses na lista e podemos preenchê-la depois, com esses pacientes”, diz Mariângela Pedrozo diretora de assistência do HC.

Os serviços afetados com a paralisação são: coleta de laboratório, exames de raio X, tomografia, ultrassom e endoscopia digestiva. Na Unidade de Urgência e Emergência, serão bloqueados 4 dos 14 leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI); 6 dos 16 leitos da unidade semi-intensiva; e 5 dos 10 leitos do pronto atendimento e observação.

Movimento nacional

Os técnico-administrativos pararam no dia 11 de junho, quando aderiram à greve de professores da UFPR, que já se estende por quase 40 dias. Por esse motivo, o hospital ainda não tem ideia de quando os profissionais devem voltar ao trabalho. Ano passado, a paralisação chegou a três meses. Entre as reivindicações dos técnicos está o aumento no piso salarial para três salários mínimos, incentivos à qualificação profissional, a isonomia de salários e benefícios entre os três poderes.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO