Saúde

Fechar
PUBLICIDADE

Saúde

Cuidados com a gripe A devem ser retomados

Até agora, o Paraná contabiliza 60 casos a mais em relação ao ano passado. Médicos recomendam medidas básicas para evitar a transmissão

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Os números a princípio assustam. Depois de apenas dois casos em todo o ano passado, 2012 já registrou 62 paranaenses com a gripe A (H1N1) e duas mortes devido a complicações provocadas pelo vírus no estado. Médicos e a Secretaria de Es­­tado da Saúde (Sesa) afirmam que não há motivo para pânico, como em anos anteriores, mas reforçam que medidas básicas para evitar a transmissão devem ser reforçadas.

A grande diferença de 2009 para cá é a existência da vacina, distribuída pelo Estado para os grupos de risco, e um estoque do antiviral Oseltamivir (Tamiflu). Tanto que a indicação da Sesa é que, em casos suspeitos de contaminação por H1N1 ou mesmo influenza B, seja receitado o antiviral.

Para o infectologista do Hos­­pital Evangélico Felipe Francisco Tuon, os riscos de complicações permanecem os mesmos, com a diferença de que a mortalidade foi reduzida. "Agora os médicos também estão mais bem preparados para verificar a possibilidade de o paciente estar com a gripe A", diz.

Risco

Em Santa Catarina, o número de casos tem aumentado e houve pedidos de 14 municípios para que o Ministério da Saúde enviasse novas doses da vacina. Os pedidos não foram aceitos, já que os anticorpos só começam a ser desenvolvidos depois de duas semanas da aplicação, o que, segundo o órgão, não garante a proteção imediata necessária em caso de surto.

Para os médicos, mesmo sendo necessário esse período para que a vacina faça efeito, ela é importante na proteção de quem ainda não contraiu o vírus. "Vacinar uma população exposta ao risco é sempre uma medida saudável", diz o professor de infectologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) José Luiz de Andrade Neto.

Com um possível surto tão próximo ao estado, medidas como lavar as mãos com água e sabão diversas vezes se tornam ainda mais necessárias. Quem ainda não se vacinou deve procurar se proteger. Postos de saúde ainda oferecem doses para os grupos de risco e pessoas com doenças crônicas.

A venda da vacina também aumentou. No Laboratório Frischmann Aisengart, até 31 de maio deste ano, foram vendidas 9,7 mil doses, quase 1,6 mil a mais do que no ano anterior. Mas esse não é o número de pessoas imunizadas, já que crianças tomam duas metades da vacina em momentos diferentes.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Saúde

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais