Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Clima

35 anos da neve em Curitiba

Apesar do frio intenso dos últimos dias, não há condições para o fenômeno neste ano

  • Vinicius Boreki
Combinação de frio e chuva dos últimos dias fez o curitibano sofrer... |
Combinação de frio e chuva dos últimos dias fez o curitibano sofrer...
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

35 anos da neve em Curitiba

Há exatos 35 anos, o curitibano deixou de reclamar do frio para comemorar. Uma coincidência climática somou temperatura abaixo dos 2ºC abaixo de zero e a fina chuva, gerando um dos fenômenos mais esperados por parte da po­­pulação: a neve. “O curitibano acordou mais cedo ontem e entre surpreso e extasiado pôde apreciar um espetáculo que em intensidade igual havia ocorrido apenas em 31 de julho de 1928”, afirmou a manchete desta Gazeta do Povo, em 18 de julho, um dia após a neve. Um dos principais pontos de saída de Curitiba, a Rodoferroviária in­­verteu sua lógica e passou a receber passageiros de cidades próximas para ver o incomum acontecimento.

O frio de três décadas atrás, porém, está longe de se repetir nesse aniversário, e a chance de ver neve em qualquer região do Paraná está descartada pelo Simepar. A atual frente fria que incomoda os curitibanos não tem a força suficiente para proporcionar neve, que naquele 17 de julho causou congestionamento do sistema telefônico da capital e emperrou muitos carros.

Meteorologista do Simepar, Marcelo Brauer afirma que não há nada de extraordinário nas temperaturas registradas nesta semana. “A diferença é que ha­­via uma sequência de calor, e as pessoas não esperavam a volta do frio. Curitiba, por exemplo, já registrou -2,5ºC em 2000”, relata. Uma série de fatores precisam acontecer simultaneamente para a neve cair: temperatura pelo menos abaixo dos -2ºC, muita umidade e uma chuva constante e fina, como a que caiu ontem durante todo o dia em Curitiba. “Se o frio da última quinta-feira fosse um pouco mais intenso e se somasse com a precipitação de ontem, a possibilidade de neve existiria”, explica Brauer.

No Rio Grande do Sul, segundo o meteorologista, a neve é mais comum em razão da umidade mais elevada e das temperaturas mais baixas. “A neve só volta em Curitiba por um lance de sorte, porque as características da cidade diferem das cidades localizadas na serra gaúcha, onde se vê o fenômeno com frequência”, afirma.

Negativas

O frio diminuiu, mas a Região Sul ainda registrou tempe­ra­turas negativas. Confira alguns dos municípios:

> Urubici (SC): -2,7°C

> Quedas do Iguaçu (PR): -2,3°C

> Bagé (RS): -2,2°C

> Quaraí (RS): -1,1°C

> Jaguarão (RS): -0,5°C

> Uruguaiana (RS): -0,5°C

> São Joaquim (SC): -0,4°C

> Dom Pedrito (RS): -0,1°C Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE