Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Justiça

Ações que dispensam o trabalho do advogado

Juizados especiais ajudam a descomplicar o Poder Judiciário. População pode recorrer ao serviço por conta própria

  • Paola Carriel
A costureira Adelaide dos Santos Silva recorreu ao juizado especial para resolver impasse com mecânico |
A costureira Adelaide dos Santos Silva recorreu ao juizado especial para resolver impasse com mecânico
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Ações que dispensam o trabalho do advogado

Para boa parte da população, o Poder Judiciário ainda é um enigma. Advogados e juízes parecem usar um dialeto diferente do idioma falado nas ruas e o emaranhado de instituições e recursos parecem algo difícil para qualquer cidadão comum desvendar. Após a Constituição de 1988, houve um esforço de popularização, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido. O que poucos sabem é que há situações em que a população pode acessar a Justiça sem a necessidade de um advogado. Em um desses casos, um presidiário redigiu de próprio punho um habeas corpus e conseguiu mudar a jurisprudência para condenados por crimes hediondos, algo que os maiores especialistas do país haviam tentado sem su­­cesso há anos.

No Brasil, a presença de advogado não é obrigatória em juizados especiais, para pedir habeas corpus, em processos trabalhistas e em alguns procedimentos admi­­nistrativos. Mas a desobrigação levanta questionamentos, já que o advogado tem conheci­men­to sobre a legislação e capacidade para avaliar qual a me­­lhor alternativa para o cliente. Em casos de ações trabalhistas, por exemplo, dificilmente alguma empresa abri­­rá mão dessa prerrogativa.

A questão da necessidade ou não de um advogado esbarra também na precariedade da defensoria pública no Brasil. No Paraná e em Santa Catarina, o órgão nem existe oficialmente. Dados do Ministério da Justiça apontam que há apenas 1,8 defensor para cada 100 mil habitantes, contra 7,7 juízes em todo o país. A média nacional mostra que cada profissional cuida de 1,5 mil atendimentos por ano.

O desembargador Ivan Cam­­pos Bortoleto, 2.º vice-presidente e supervisor-geral do Siste­ma de Juizados Especiais, lembra que a ideia de popularizar a Justi­ça já estava presente no direito romano, com os chamados juízes peregrinos, que atendiam aos anseios da população em praças. Para ele, ações como os juizados contribuem para derrubar o mito de que a Justiça é in­­tangível. “Este ano, levamos juizados para os estádios e, durante a temporada, para o litoral.”

Juizados especiais

Uma das maiores inovações no acesso à Justiça foi a criação dos juizados especiais no âmbito estadual. Os juizados são espaços onde não há a formalidade dos tribunais e não é necessário ter um advogado em causas que envolvam até 20 salários mínimos. A quantidade de recursos e o tempo de tramitação são mínimos se comparados a um processo que segue o trâmite da Justiça comum. Os processos devem ser pautados pela oralidade, simplicidade e celeridade. Também não há custos processuais. Há atuação nas áreas cível e criminal e qualquer pessoa maior de 18 anos pode entrar com uma ação.

O aposentado Izael Índio de Souza, 58 anos, resolveu procurar o juizado para resolver o problema com um consórcio bancário. Ele tentava transferir a carta para seu nome, mas o banco fez a transferência para um desconhecido. Souza já havia usado o sistema. “O processo foi rápido. Durou apenas três meses. Fiquei com receio somente de não saber negociar por não ter o auxílio de um advogado.”

A costureira Adelaide dos Santos Silva, 51, também procurou os juizados cíveis de Curitiba para solucionar o problema com o conserto do carro, que depois de R$ 6,8 mil pagos a um mecânico, ainda apresenta problemas. Restam R$ 1 mil de dívida e Adelaide quer negociar o pagamento mediante a revisão do conserto. “Vim indicada por uma amiga que utilizou e ficou satisfeita. Espero resolver o problema rapidamente”.

Para o vice-presidente da Co­­missão de Juizados Especiais da Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná (OAB-PR), Alberto Rodrigues Alves, esses órgãos fo­­ram criados para permitir o acesso do cidadão comum à Justiça. “É a efetivação da cidadania”, diz. Ele explica que, caso não haja conciliação, é marcada uma audiência e ainda é possível recorrer.

Serviço:

Juizado Especial Cível (Rua Inácio Lustosa, 700, Curitiba). Telefone: (41) 3234-3600. Juizado Especial Criminal (Rua Fernando Amaro, 60, Curitiba). Telefone: (41) 3264-2008.

* * *

Interatividade

Você já recorreu a um juizado especial para resolver um problema? Conte-nos sua experiência.

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.brAs cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE