PUBLICIDADE
Apesar do acidente, o passeio de barco Macuco Safári ocorreu normalmente ontem no lado brasileiro das Cataratas |
Apesar do acidente, o passeio de barco Macuco Safári ocorreu normalmente ontem no lado brasileiro das Cataratas
cataratas do iguaçu

Argentina evita falar em causas do acidente

Autoridades mantêm em segredo investigação sobre barco que virou, matando dois turistas. Ontem, sobreviventes prestaram depoimento

Texto publicado na edição impressa de 23 de março de 2011

Argentina evita falar em causas do acidente Ampliar

Cinco turistas que sobreviveram ao acidente de barco no lado argentino das Cataratas do Iguaçu, na última segunda-feira, prestaram depoimento à prefeitura naval de Puerto Iguazú, órgão responsável pela investigação. A tragédia deixou dois norte-americanos mortos. Oito pessoas, de um total de dez que estavam no barco, se salvaram no acidente.Nestor Ariel, secretário do juiz Ricardo Gerometta, responsável pelo caso, diz que ainda é preciso aguardar a perícia na embarcação para descobrir o que causou a tragédia. Os turistas e a tripulação também terão de prestar novo depoimento ao juiz nas próximas horas. “Até que não tenhamos todas as declarações e o resultado da perícia não se pode adiantar uma causa”, afirma Ariel.

Ele informa que será aberto um processo para apurar se houve imperícia ou negligência do piloto Mário Aguirre, 42 anos, que pode ser acusado por duplo homicídio culposo (quando não há a intenção de matar). A Justiça tem três meses para investigar o caso.

Os corpos de Laura Eberts, 28 anos, e Philip Musgrove, 70 anos, foram enviados a Posadas, capital da província de Misiones (na fronteira com o Brasil) para autópsia. O laudo ainda não foi divulgado. Há suspeita de que Laura morreu afogada, apesar de estar usando colete salva-vida, e Musgrove te­­nha sofrido traumatismo craniano.

O marido de Laura, Robert Eberts, 27 anos, era um dos turistas que estavam no barco. O casal estava em viagem de lua de mel. Eberts foi liberado do hospital na noite de segunda-feira, mas não quis falar com a imprensa. Segundo funcionários do hotel de Puerto Iguazú, onde está hospedado, ele está muito abalado e recebe auxílio constante de enfermeiros. Os demais turistas, uma colombiana, dois alemães e dois norte-americanos, já tiveram alta do hospital. Apenas o fotógrafo do barco, Leonardo Abba, 42 anos, ainda estava internado ontem com hematomas na coluna cervical e na cabeça.

Segurança

A empresa Iguazú Jungle, responsável pelo passeio de barco no lado argentino, emitiu uma nota na qual afirma que desconhece as razões do acidente. Segundo a empresa, o piloto do barco está habilitado pela Marinha e faz o trajeto há 15 anos. Os passeios continuam suspensos.

No lado brasileiro, o passeio similar, chamado Macuco Safári, funcionou normalmente ontem. A procura pelo passeio ficou dentro da média diária, cerca de 400 turistas. A empresa opera no parque há 25 anos. Em 2010, cerca de 1,2 milhão de turistas visitaram o parque brasileiro.

No Brasil, o passeio é autorizado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, responsável pelo parque, e pela Marinha. É obrigatório o uso de colete salva-vida certificado pelo Inmetro e os turistas recebem orientações de segurança antes de entrar no barco. Não é preciso assinar documentos antes do passeio. O risco é considerado moderado.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO