Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Entrelinhas + VER MAIS COLUNISTAS

Entrelinhas

De volta à Vila Pinto

  • Andréa MOrais - entrelinhas@gazetadopovo.com.br
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A retirada de pontos de ônibus da Avenida Comendador Franco e o fechamento de vias de acesso à Vila das Torres trouxe de volta um sentimento alimentado por muitos anos pelos moradores da região: o de pertencimento a um gueto. As alterações ocorreram em função das obras na avenida, mas o temor é que algumas sejam mantidas.

No trecho em obras foram mantidos somente dois pontos de ônibus (o que fica em frente ao Big e o que fica próximo ao cruzamento com a Rua Baltazar Carrasco dos Reis). “E os dois pontos que ficaram nem abrigo têm. Nos dias de chuva, todo mundo fica encharcado”, reclama Marcos Eriberto dos Santos, o Marcão, presidente da Associação dos Moradores.

Quanto aos acessos fechados (ruas Pedro Costa Cunha e Doutor Alberto F. da Costa), a Associação de Moradores cobrou uma resposta da prefeitura, mas o retorno teria sido insatisfatório. “Ouvimos dizer que, mesmo após as obras, a vila continuará “fechada”. Voltamos a ser invisíveis”, comenta Marcão, ao ressaltar que as medidas podem ser até necessárias, mas faltam informações à comunidade.

Maurício Cavalcanti, diretor da Regional Matriz, que responde pela Vila das Torres, afirma já ter explicado a representantes dos moradores que a abertura de acessos à Vila requer uma mudança no projeto das obras em execução no local. Este projeto foi feito na gestão anterior. Segundo ele, a intenção é de reabrir os acessos, mas para isso será preciso negociar com o Ippuc, que tem que aprovar a mudança. A Regional está fazendo um levantamento fotográfico das ruas interditadas para ser enviado ao Ippuc. O processo, porém, tem um trâmite e a solução pode demorar.

Camisas de time

A Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional promove até o dia 15 de maio o leilão de 11 camisas de time originais, oito delas autografadas por craques como Alexandre Pato (Milan), Giba (seleção brasileira), Paulo Baier (Atlético), Valdívia (Palmeiras), Zé Roberto (Grêmio) e Tcheco (Coritiba). O dinheiro arrecadado ajudará no cuidado com os 366 alunos da instituição. Mais informações: www.fepe.org.br/leilao ou (41) 3111-1804.

Voluntários

O Centro de Diabetes Curitiba, que funciona no Hospital Nossa Senhora das Graças, está recrutando mulheres diabéticas para uma pesquisa que compara o impacto positivo de dois remédios usados para o tratamento de diabete nos ossos de pacientes. O estudo terá a duração de um ano. Serão necessárias 40 mulheres com diabete do tipo 2, que já tenham entrado na menopausa, que não sejam usuárias de insulina e com hemoglobina Glicada (HbA1C) entre 6,5% e 9,0%. Mais informações pelo telefone: (41) 3023-1252.

Leilão da Receita

Hoje, das 9 às 17 horas, a Santa Casa de Misericórdia de Curitiba promove um bazar com produtos apreendidos pela Receita Federal. São celulares, roupas, perfumes importados, jaquetas, entre outros. O bazar será no Hospital Nossa Senhora da Luz (Rua Rockefeller, 1.450, no Rebouças). Mais Informações pelo www.doesantacasa.com ou 0800 645 1800.

Fauna

66 micos-leões-da-cara-dourada foram retirados do Rio de Janeiro e transportados para o sul da Bahia. Classificada como “em perigo” de extinção na lista do Ministério do Meio Ambiente, a espécie é originária da Mata Atlântica da região sudeste da Bahia e o extremo nordeste de Minas Gerais. Os micos foram inadvertidamente introduzidos nessa área e ameaçavam a sobrevivência dos micos-leões-dourados, que são naturais da região.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

últimas colunas de Entrelinhas

PUBLICIDADE