Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Crime do tabaco

Ameaça ao narcotráfico

O contrabando de cigarro avança de forma tão vertiginosa que já rivaliza com o tráfico de cocaína e de maconha entre os negócios ilegais mais rentáveis na fronteira Brasil-Paraguai

  • Mauri König e Diego Antonelli
  • Atualizado em às
Carro com cigarro paraguaio capota durante perseguição da Receita Federal em estrada de terra a 20 quilômetros da fronteira |
Carro com cigarro paraguaio capota durante perseguição da Receita Federal em estrada de terra a 20 quilômetros da fronteira
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Nada parecia ameaçar o narcotráfico, o crime mais rentável na fronteira do Brasil com o Paraguai. Não até surgir um êmulo à altura. Em incontrolável expansão, o contrabando de cigarro superou o tráfico de maconha e cocaína em volume e está prestes a superá-lo em valores. As cifras são extraordinárias. O Paraguai produz 67 bilhões de unidades por ano, ou 3,3 bilhões de maços. Cada maço custa US$ 1,50 no mercado clandestino. Um negócio de US$ 5 bilhões, portanto. O Brasil é o principal destino da maconha e do cigarro paraguaio. Este, no entanto, vem tomando a dianteira.

SLIDESHOW: Veja fotos do contrabando de tabaco

INFOGRÁFICO: Veja a evolução das apreensões

O Paraguai tem até quatro safras por ano de maconha em seis mil hectares cultivados, segundo a Secretaria Nacional Antidrogas do país. Um hectare produz três toneladas por safra. Cada hectare rende US$ 30 mil, a US$ 10 o quilo. Assim, uma safra resulta em US$ 180 milhões. Com as quatro safras anuais, a produção chega a US$ 720 milhões na origem. No mercado brasileiro, para onde se destina 80% da maconha paraguaia, o quilo chega a R$ 1 mil, ou US$ 430. No mercado final, isso rende R$ 12 bilhões por ano, ou US$ 5,1 bilhões. Ou seja, valor semelhante ao da produção de cigarro.

Maior produtor de cigarro do Paraguai e também maior beneficiado pelo contrabando para toda a América Latina, em especial para o Brasil, o presidente Horacio Cartes é contra a legalização da maconha, como fez o presidente uruguaio José “Pepe” Mujica. Para Cartes, a maconha é uma “porta de entrada” para outras drogas. Enquanto há operações de repressão ao plantio de maconha no Paraguai e ao tráfico para o Brasil, o cigarro, ao contrário, recebe incentivo do governo paraguaio. Eis uma das explicações para a mudança do perfil do crime organizado na fronteira.

Avanço acelerado

O cigarro ilegal que entra no Brasil pelos 1,3 mil quilômetros da fronteira com o Paraguai já equivale, em valores, a 34% do que passa em maconha e cocaína por todos os 16,5 mil quilômetros das fronteiras brasileiras com dez países. Desde 2010, o Brasil apreendeu em todo seu território US$ 2,5 bilhões em cocaína, US$ 287 milhões em maconha e US$ 958 milhões em cigarros. Registre-se que o Brasil é vizinho e cliente dos três maiores produtores mundiais de cocaína: Colômbia, Bolívia e Peru. O Paraguai ainda ajuda como rota da coca boliviana para o mercado brasileiro.

É pelos estados do Paraná e do Mato Grosso do Sul, únicos a fazerem fronteira com o Paraguai, que entram os dois produtos paraguaios mais populares no Brasil: o cigarro e a maconha. Comparando apenas as estatísticas desses estados, o valor do tabaco confiscado equivale a 85% da maconha e da cocaína juntas. Na comparação direta, o tabaco já empatou com a cannabis sativa entre os negócios ilícitos mais lucrativos na fronteira.

Único meio de medir quanto entra ilegalmente no país, a evolução das apreensões revela que, no ritmo atual, em poucos anos o contrabando de tabaco vai superar o tráfico de narcóticos na fronteira Brasil-Paraguai. Nessa área, o confisco de cigarro cresceu 125% nos últimos três anos, enquanto o de maconha e cocaína juntas subiu 100%, na média ponderada. Essas drogas somaram US$ 700 milhões em apreensões desde 2010 nos dois países, contra US$ 600 milhões de tabaco. A comparação leva em conta o preço final de cada produto nos mercados consumidores do país.

“O contrabando de cigarro é o crime da vez nas fronteiras”, diz o delegado da Polícia Federal (PF) em Foz do Iguaçu, Ricardo Cubas César. A percepção é a mesma nas demais forças de segurança pública do país. Esse tipo de contrabando já passou o tráfico de maconha e de cocaína em volume e está em vias de ultrapassar em valores, constata o titular da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da PF no Paraná, Marco Smith. Os números superlativos explicam porque esse se tornou o maior problema das fronteiras brasileiras e porque traficantes estão trocando as drogas pelo tabaco.

Poder de corromper

O contrabando de cigarro é altamente rentável, profissionalizado e tem grande poder de corromper. Sua etapa de distribuição clandestina inclui falsificação de documentos, fomento do roubo de carros para uso no crime, corrupção policial, exploração da mão de obra, inclusive de crianças. Enquanto um paraguaio recebe US$ 13 por dia numa plantação de maconha, o operário menos remunerado da indústria do cigarro pirata ganha US$ 43 apenas para se posicionar ao longo das rotas de contrabando e avisar sobre a presença da polícia.

Também é alarmante a intensidade com que contrabandistas cooptam servidores do Estado. “Sempre há um agente público, incluindo policiais, auxiliando as quadrilhas”, diz Cubas. “São bandidos que usam a farda e a carteira da polícia para cometer crimes.” Só nas quatro operações mais recentes de repressão ao contrabando de cigarro foram presos 53 agentes públicos, entre eles um delegado da Polícia Federal, três policiais federais, 16 policiais civis, 29 policiais militares, um policial rodoviário e três guardas municipais. A corrupção é necessária para a manutenção do status quo, e os agentes públicos têm papel central na continuidade dos negócios ilícitos.

Esta reportagem foi produzida com apoio do Instituto Prensa y Sociedad, do Peru, com a colaboração dos jornalistas Martha Soto, do jornal El Tiempo, da Colômbia, e Ronny Rojas, do jornal La Nación, da Costa Rica.

Império das cinzas

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE