Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Leitores tardios

O livro depois de tudo

Homens e mulheres com baixa escolaridade reencontram a leitura em programas alternativos

  • José Carlos Fernandes
A educadora Priscila Sehnem durante ação de leitura na Rodoferroviária de Curitiba: no ato do empréstimo, confidências |
A educadora Priscila Sehnem durante ação de leitura na Rodoferroviária de Curitiba: no ato do empréstimo, confidências
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O livro depois de tudo

A resposta foi "não". O homenzinho sentado na Rodoferroviária de Curitiba informou à pedagoga Priscila Sehnem, 35 anos, que não queria o livro que ela lhe oferecia. "E se eu ler para o senhor?", provocou, pouco antes de fazer rodopiar as páginas de um conto do uruguaio Eduardo Galeano. O texto falava de "construir o mundo", bem a calhar para aquele viajante de mãos calejadas, "provavelmente um pedreiro sem escola" – o que logo se confirmou. "Sabia que sou pedreiro? E que essa história é a história da minha vida?"

Episódios semelhantes se repetem desde 2008, às sextas-feiras, dia da semana em que Priscila e outras agentes de leitura ligadas à Fundação Sidônio Muralha deslizam pelo terminal rodoviário um carrinho apinhado de livros, verdadeiro gabinete de curiosidades. O projeto, que faz parte do programa federal Ponto da Cultura, a custo módico total de R$ 2 mil, não tem nenhuma engenharia mirabolante. Basta o interessado escolher a obra e devolvê-la antes da "última chamada". Os textos são em geral curtos, para que possam ser degustados enquanto o leitor presta atenção nos alto-falantes.

VÍDEO: Veja sobre a hora da leitura na Escola Municipal Vila Zanon, no Tatuquara

"Para muitos, o empréstimo não é a retomada da leitura. É o primeiro encontro com os livros", assegura Priscila. Mais de uma vez a educadora se flagrou folheando livros de imagens nos halls, pois seus fregueses, como lhe dizem, "são de poucas letras". Não raro, como o pedreiro, defendem-se com recusas, escondendo a condição de não leitores absolutos.

Rudimentar

Os analfabetos são uma categoria que diminui a cada ano – são 6% da população –, mas se mostram uma multidão quando se coloca na conta aqueles para quem a passagem pela escola não foi o bastante para garantir a mecânica da leitura: 21% dos brasileiros têm nível rudimentar e 47% o básico. "Trabalhar com esse grupo é um desafio. Eles não chegarão à condição de leitor pelas vias formais", observa a pesquisadora Vera Masagão Ribeiro, da ONG Ação Educativa, coordenadora do Índice Nacional de Alfabetismo Funcional, o Inaf.

A criatividade ajuda. Nem peixaria escapa. Mas atrair os "de poucas letras" exige estratagemas de guerra. Os adultos que leem mal tendem a se acomodar com sua condição. Quando se apertam, pedem socorro a quem lê. De acordo com Masagão, que há dez anos observa de perto esse grupo, resta aos agentes apelar para as necessidades imediatas dos adultos de baixa escolaridade.

É o caso do uso do computador no mundo do trabalho. "Eu não conseguia escrever um e-mail. Foi o meu limite", lembra o vendedor Rubens dos Santos, 42, evadido de uma escola rural aos 12 anos, hoje vinculado a um programa de educação de jovens e adultos [leia ao lado].

Falar de leitura literária com Rubens seria intimidá-lo. Provavelmente ele recusaria participar de um círculo sobre Machado de Assis. Mas a tendência é que chegue até o livro por outras vias, observa o professor Anderson Muniz Canizella, 33 anos, diretor do Ceebja Maria Deon, no Boqueirão.

Os professores da escola atingem ao todo 1,8 mil alunos. São estudantes pragmáticos, preocupados em crescer na profissão, "mas dá gosto vê-los na biblioteca, falando dos livros que leram, ainda que sejam os títulos da moda. A condição de leitor vem em paralelo à reconquista da condição de aluno", acrescenta o diretor. Meses atrás, Anderson fez o teste – chamou para uma palestra o jornalista Rogério Pereira, diretor da Biblioteca Pública do Paraná e referência em questões de leitura no Brasil. O interesse foi enorme, mesmo sabendo que a fala de Rogério não ajudaria ninguém a ganhar mais dinheiro. "O livro tem aura. É simbólico", resume, em coro com a educadora Dirce Rodrigues, 58, sua parceira no EJA.

Tarde demais?

Dirce é uma daquelas figuras que toda escola gostaria de ter. Uma vez por semana, tira o avental e se veste de contadora de histórias para alunos tão maduros quanto ela, cansados do batente, e que estão ali depois de vencerem as tais das resistências interiores e exteriores. "Eles se olham no espelho e acham que é tarde demais para recomeçar. Mal acredito quando os vejo com um romance na mão...", conta. A média de empréstimos ali é de um livro per capita mês – número que deveria figurar num mural da Praça Tiradentes.

Como Dirce consegue? Entendendo seu leitor tardio. Não os julga se escolhem a série Crepúsculo ou "aquele do Dan Brown". Sabe que são anárquicos e ela quer conquistá-los. "Chegam aqui julgando que vão encontrar a escola que deixaram lá atrás. O bom é quando se surpreendem", diz a educadora, que respeita a forma enviesada com que retornam à leitura. O mesmo faz a "missionária de leitura" Nadzieja Didycz, 66, professora aposentada que transformou sua casa em um entreposto do livro, no bairro do Uberaba. Seu lema: "oferecer livros bons para a digestão e para a imaginação".

"Nadjéia", como se pronuncia, é polonesa e se converteu às letras, em definitivo, na década de 1980, ajudando o filho e amigos a entrarem no Colégio da Polícia Militar. Ano após ano, não parou de ter candidatos a seu cursinho informal. Aos poucos, seu endereço foi se transformando numa biblioteca, frequentada também por adultos apartados da leitura, mas atraídos pela divertida senhora Didycz. "Essas pessoas lidam bem com a linguagem oral. Ninguém me ensinou. Eu vi. Adultos e velhos recomeçam contando histórias. Muitas vezes as histórias deles mesmos."

O milagre da Vila Zanon

Numa escola do Tatuquara, na hora da leitura todo mundo entrada na roda – professores e alunos, zeladoras e guardas.

+ VÍDEOS

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE