Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Futuro das Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Futuro das Cidades

Rodízio de carros não reduz poluição se população não aderir

“Jeitinho” mexicano faz com que a manutenção do rodízio de carros até aos sábados não seja o bastante para diminuir os níveis de poluição do ar na Cidade do México

  • AFP
Estudo feito na Cidade do México mostra que o rodízio de carros não reduz poluição se população não aderir.  Na foto é possível ver a poluição atrás dos prédios. |
Estudo feito na Cidade do México mostra que o rodízio de carros não reduz poluição se população não aderir. Na foto é possível ver a poluição atrás dos prédios.
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A extensão aos sábados das restrições de circulação veicular na Cidade do México não conseguiu diminuir os níveis de poluição do ar, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira (2). A capital mexicana foi uma das primeiras no mundo a introduzir, em 1989, o rodízio de veículos – segunda na América Latina, atrás só de Santiago, Chile, que adotou a medida em 1986.

Durante o rodízio apenas os veículos com placas pares ou ímpares podem circular em dias determinados. O objetivo desta medida é combater a poluição atmosférica que, segundo a Organização Mundial da Saúde, mata por ano 3,7 milhões de pessoas no mundo. Mas, a exemplo do que está acontecendo na Cidade do México, o velho “jeitinho” e a falta de adesão da população faz com que o rodízio de carros não funcione.

A Cidade do México é uma das cidades mais poluídas do hemisfério ocidental, com níveis de particulados três a quatro vezes superiores aos de Nova York, São Paulo ou Buenos Aires, segundo o estudo, publicado pela revista científica Scientific Reports.

LEIA MAIS sobre meio ambiente e o Futuro das Cidades

Para poder circular, carro terá de exibir adesivo “anti-poluição” em Paris

Medo de aquecimento global cai entre os jovens japoneses

Isto se deve, em parte, à sua geografia, visto que a megalópole está rodeada por montanhas, que confinam as partículas poluentes. Durante quase duas décadas, o programa de rodízio de veículos “Hoje não circula” foi aplicado apenas de segunda a sexta-feira, e a partir de julho de 2008 se estendeu aos sábados.

O objetivo era reduzir 15% das emissões dos veículos, segundo o estudo. Mas após analisar os níveis de oito poluentes, entre eles o monóxido de carbono, o ozônio, o dióxido de enxofre e o dióxido de nitrogênio, os pesquisadores concluíram que a medida não tem “nenhum efeito discernível na qualidade do ar”, indicou o autor do estudo, Lucas Davis, da Universidade de Berkeley, na Califórnia.

Não houve mudança de comportamento da população

A iniciativa também não conseguiu motivar os motoristas a utilizarem mais o transporte público. Em vez de se deslocar em trem ou ônibus, os motoristas respondem às restrições utilizando um segundo veículo, caso o possuam, ou o de algum familiar ou amigo, afirmou Davis.

Os táxis – a Cidade do México conta com uma das maiores frotas do mundo, segundo o estudo – também são uma das principais alternativas. Davis analisou os dados de poluição do ar de 29 postos de controle distribuídos na Cidade do México, entre 2005 e 2012.

Segundo o estudo, cerca de 145 milhões de habitantes no mundo vivem em cidades onde se aplica o rodízio de veículos, como São Paulo, Santiago, Bogotá, La Paz, Pequim, Nova Délhi, Atenas e Bruxelas.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais