Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Transporte Coletivo

Greve de ônibus chega ao quarto dia com menos da metade da frota circulando

Atualmente, a multa por descumprimento da frota mínima é de R$ 100 mil por hora, mas a Justiça avalia elevar o valor para R$ 200 mil

  • Katia Brembatti e Laura Beal Bordin
Número de veículos em circulação é menor do que o de terminado por decisão judicial | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Número de veículos em circulação é menor do que o de terminado por decisão judicial Daniel Castellano/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A greve do transporte coletivo em Curitiba entra no quarto dia, com menos de 50% da frota circulando. De acordo com a URBS, o porcentual de veículos atendendo à população chegou a 5% durante a madrugada. Às 9 horas deste sábado (18), a quantidade de ônibus atingiu a metade do esperado para o horário em dias sem paralisação – mínimo exigido por decisão judicial. Mas, por volta das 10 horas, a informação é de que apenas 37% da frota estava circulando, quando deveria ser de pelo menos 40%. No início da tarde, a estimativa é de que 23 estações-tubo estavam sem cobrador.

O cenário é de complicação para os usuários: pontos de parada estão cheios, veículos continuam lotados e o tempo de espera é bem maior do que em dias normais. Atualmente, a multa por descumprimento da frota mínima é de R$ 100 mil por hora, mas a Justiça avalia elevar o valor para R$ 200 mil.

A greve deve se estender até terça-feira (21), pelo menos. Depois de quatro horas de audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), motoristas e cobradores do transporte coletivo, empresas de ônibus, Urbs e Comec não chegaram a um acordo, levando ao agendamento de uma nova audiência na terça-feira.

Durante a reunião, não houve nova proposta do Setransp, sindicato patronal, que continuou oferecendo um reajuste de 5,43% – índice da inflação. O Sindimoc, sindicato que representa os motoristas e cobradores, pede 15% de aumento salarial e elevação do vale-alimentação de R$ 500 para R$ 977. O Setransp informou que não fará uma nova proposta antes da próxima audiência.

Enquanto a audiência acontecia no TRT, várias denúncias começaram a surgir de que cobradores estavam sendo retirados das estações-tubo e de que os passageiros eram impedidos de entrar. Alguns cobradores afirmaram que deixaram os postos por ordem do sindicato. O Sindimoc negou que tenha tirado os trabalhadores dos postos de trabalho e afirmou em nota que está buscando descobrir quem estaria se passando por membro da entidade. Um boletim de ocorrência foi registrado na delegacia, mas o sindicato não identificou quem seriam os responsáveis pela abordagem.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE