Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Protesto

Grupo tenta invadir a sede do governo de SP e é impedido pela PM

Manifestantes derrubaram portão do Palácio Bandeirantes. Polícia respondeu com bombas de gás lacrimogêneo e tiros, o que fez com que o grupo recuasse e não chegasse a ocupar o prédio

  • Agência Estado e Agência Brasil
  • Atualizado em às
O protesto contra o aumento das passagens em São Paulo se dividiu e fechou vias importantes da cidade |
O protesto contra o aumento das passagens em São Paulo se dividiu e fechou vias importantes da cidade
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Grupo tenta invadir a sede do governo de SP e é impedido pela PM

A manifestação começou de forma pacífica em São Paulo nesta segunda-feira (17), mas no fim da noite os manifestantes tentaram invadir o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo. O protesto deixou ilhados inúmeros funcionários que trabalham no palácio.

Segundo a comunicação do governo, manifestantes jogaram bombas dentro do palácio e quebraram um dos portões na tentativa de invadir o local. Eles foram impedidos pela Polícia Militar, que faz a guarda do Palácio. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) não se manifestou.

A polícia respondeu com bombas de gás lacrimogêneo e tiros, o que fez com que o grupo recuasse e não chegasse a invadir o prédio, de onde o governador Geraldo Alckmin e secretários acompanham o protesto desde a tarde.

"Não dá para segurar. O povo está revoltado", disse Caio Martins, membro do Movimento Passe Livre. Ainda na frente do prédio, grupos de manifestantes se dividem entre pedidos de paz e cantos do hino nacional.

Desde a chegada ao local, muitos manifestantes chutavam os portões e lançavam pedras em direção aos policiais, que ficaram do lado de dentro do palácio. Outros manifestantes, no entanto, tentavam acalmar as pessoas mais exaltadas.

O protesto contra o aumento das passagens em São Paulo se dividiu e fechou vias importantes da cidade. Às 20 horas, a ponte Octavio Frias de Oliveira, na marginal Pinheiros, e a avenida Paulista, na região central, estavam bloqueadas em ambos os sentidos. Os manifestantes dizem que não há um destino definido.

Durante a passagem pela ponte, a maioria dos manifestantes começou a pular, o que fez a estrutura tremer. No caminho, os manifestantes chamaram a população para participar do protesto e soltaram diversos gritos de ordem contra o aumento das passagens.

Na capital paulista, a Polícia Militar aponta cerca de 30 mil pessoas no protesto que se concentrou no largo da Batata, na região de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. O Datafolha, no entanto, aponta que o número é de ao menos 65 mil pessoas.Após a concentração no largo da Batata, o movimento decidiu dividir a passeata em três grupos.

As últimas manifestações do grupo foram marcadas por confrontos com a Polícia Militar. O último caso ocorreu na quinta-feira passada, quando houve confusão na rua da Consolação, na região central. Segundo organizadores, ao menos cem pessoas ficaram feridas e mais de 200 foram detidas. Dentre jornalistas, houve 15 feridos.

Nesta segunda o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que a Polícia Militar não usará balas de borracha contra os manifestantes. "Nós acreditamos em uma manifestação pacífica e organizada, em que a polícia vai apenas ordenar para que ela aconteça", disse ontem o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira.

Concentração

O grupo de manifestantes se concentrou no largo da Batata, na zona oeste de São Paulo, na tarde desta segunda-feira. Militantes do Movimento Passe Livre decidiram dividir a passeata em grupos. Uma parte seguiu pela avenida Rebouças sentido marginal Pinheiros, e outra pela avenida Faria Lima. Cerca de 30 mil pessoas, segundo estimativa da PM, se concentraram no largo da Batata.

Inicialmente, um grupo liderado pelo partido PSTU disse que seguiria em direção à avenida Paulista, mas desistiu do trajeto. A Polícia Militar afirmou que não havia problemas na divisão e que os manifestantes poderiam ir por onde quiserem, inclusive fechar vias.

O grupo se dividiu em três blocos, seguindo um para a marginal Pinheiros, sentido Brooklin, pela av. Faria Lima e outra em direção a av. Paulista.

Ao contrário do que ocorreu na última manifestação, na quinta-feira, quando a presença da PM foi ostensiva, nesta segunda quase não se notava a presença de policiais. Mais cedo, os organizadores do Movimento Passe Livre e a polícia negociaram o trajeto a ser seguido pela passeata.

As últimas manifestações do grupo foram marcadas por confrontos com a Polícia Militar. O último caso ocorreu na última quinta-feira, quando houve confusão na rua da Consolação, na região central. Segundo organizadores, ao menos cem pessoas ficaram feridas e mais de 200 foram detidas; 15 jornalistas ficaram feridos.

A manifestação reúne diversos setores da sociedade e entidades, da própria capital paulista e de diversas regiões do Estado. O ato desta segunda-feira, o quinto desde o dia 6, conta com a participação do Sindicato dos Químicos de Campinas, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, professores da Universidade de São Paulo, pais de manifestantes presos nos outros protestos, bancários da região, atores e estilistas, como Alexandre Herchcovitch. “Protestar está na moda”, brincou.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

  1.  | Daniel Castellano/Gazeta do Povo

    economia de energia

    Horário de verão começou; saiba mais sobre a mudança nos relógios

  2. Sede da loja maçônica que seria irregular e onde pessoas estariam aplicando golpes |

    Curitiba e RMC

    Sete são presos em operação contra falsos maçons

  3. Estela Muller exibe a nova aquisição, uma árvore natalina, e o enfeite herdado da mãe |

    Fim de ano

    O dia certo de montar a árvore de Natal

PUBLICIDADE