Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

ARTE

Fotos históricas ganham cores e um “novo olhar”

 | Marina Amaral/Divulgação
Marina Amaral/Divulgação
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Um novo olhar e novas informações por meio de fotografias tiradas no início do século passado. Com modernas técnicas utilizadas para colorir fotos históricas antigas, originalmente em preto e branco, essas imagens ganham diferentes significados e percepções. Muitos artistas têm se dedicado a essa prática, como o inglês Jordan Lloyd e seu projeto Dynachrome. No Brasil, a técnica chamou a atenção da mineira Marina Amaral, que já ganhou projeção internacional decorrente do seu trabalho.

Embora a primeiro filme colorido moderno, o Kodachrome, tenha sido introduzido no mundo em 1935, foi só na década de 1960 que os filmes negativos coloridos se popularizam. Por isso, grande parte dos registros históricos que marcaram o planeta, como a 1.ª e a 2.ª Guerra Mundial e até a Guerra do Vietnã, foi eternizada pelas imagens em preto e branco.

GALERIA: Confira algumas fotos históricas coloridas

Como o risco de alterar a realidade ao colorir uma imagem tão emblemática existe, pesquisas e leituras tornam-se fundamentais para nortear o trabalho de artistas que atuam neste ramo. Marina, por exemplo, conta que estuda e pesquisa muito ao tratar e colorir uma foto e não deixar nenhum detalhe passar despercebido ou ser tratado de maneira aleatória.

“Eu tomo o maior cuidado para respeitar todos os detalhes históricos contidos em uma imagem, e é por isso que dedico tanto tempo à pesquisa antes de começar a restauração”, ressalta. Colorir fotos consideradas grandes e complexas podem demorar meses, segundo ela.

Marina salienta que não cabe encarar esse processo como uma brincadeira. “Essas fotos têm um significado muito importante que precisa ser preservado. Por essa razão eu não me dou a liberdade de jogar cores aleatórias e tratar a foto como eu bem entender. Um trabalho minucioso é feito para que a essência original seja mantida”, conta a artista.

Ela se interessou pelo processo quando encontrou algumas colorizações na internet. “Eu sempre fui apaixonada por história e essas fotografias sempre chamaram a minha atenção. Trabalho com qualquer tipo de imagem, desde retratos de família a fotos mais complexas tiradas em 1800”, relata. Mas Marina guarda uma paixão especial: a 2.ª Guerra Mundial. “Para mim essas fotografias têm um significado especial, é um tema que eu estudo bastante”, explica.

Reação

A reação do público, segundo ela, é geralmente positiva e a maioria das pessoas entendem a proposta do seu trabalho. “O que eu faço é meramente oferecer uma segunda perspectiva e não tentar apagar a existência da foto original”, justifica.

Marina confessa que nunca esperou que seu trabalho tomaria a proporção que tomou. “Isso me enche de orgulho. Eu já recebi mensagens de pessoas que possuem ligações íntimas e pessoais com determinadas imagens, muito emocionadas e agradecidas pelo meu trabalho. Isso não tem preço”, confessa a artista.

Fotos preto e branco podem trazer novas informações ao ganharem cores

O professor de Semiótica no curso de Design na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Claudio Thiele, explica que a foto em preto e branco passa uma imagem atemporal, com viés mais dramático e que foca na situação e essência geral da imagem retratada. ‘Ao colorir esta imagem há um impacto na interpretação”, afirma. Mas, este impacto não é necessariamente negativo.

Quando se colore imagens antigas baseado em pesquisas históricas, há neste objeto novas informações mantendo a realidade do que foi fotografado originalmente e trazendo novos elementos, como as cores predominantes em determinada época.

“Diferente de um artista que faz uma intervenção em cima desta imagem inserindo outros elementos, por exemplo, que irá alterar a foto”, explica Thiele. Segundo ele, é essencial cuidar de todos os detalhes , como a textura. “A imagem preto e branco traz uma textura diferente e isso não se pode perder quando a colore”, ressalta.

Além disso, ao passo que a foto preto e branco foca na situação geral retratada, a colorida leva o espectador a observar mais os detalhes retratados. “Por isso é necessário que as imagens sejam contextualizadas por meio de pesquisas e que acabam por despertar o interesse das pessoas”, explica Thiele.

Ele ressalta que não existe melhor ou pior nesta discussão. “As duas acabam se completando. A preto e branco faz com que a essência chame a atenção e a colorida traz a percepção de outros detalhes”, resume.

Confira algumas fotos históricas coloridas

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE