Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

História

Fechar
PUBLICIDADE

Escravidão

O trágico fim do navio negreiro São José Paquete

Embarcação portuguesa naufragou em 1794 ao dobrar o Cabo da Boa Esperança com cerca de 500 escravos a bordo

  • Washington Post
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO
 | Library of Congress/Library of Congress
Library of Congress/Library of Congress

No dia 27 de dezembro de 1794, o navio negreiro português São José Paquete naufragou de forma trágica próximo à costa da Cidade do Cabo, então colônia holandesa, no sul do continente africano, matando centenas de escravos. A embarcação transportava uma carga de 500 prisioneiros que haviam sido embarcados na ilha de Moçambique quatro semanas antes.

O São José seguia em direção à costa leste da África e tinha como destino final o litoral Nordeste do Brasil, onde fica hoje o Maranhão. O plano de viagem previa uma parada para reabastecimento na Cidade do Cabo, mas fortes ventos vindos do sudeste impediram a entrada do navio no porto. O capitão Manuel João Pereira decidiu, então, lançar âncoras afastado da costa. Mal sabia ele que a viagem do São José seria interrompida definitivamente horas depois.

Parte da história do primeiro navio negreiro de que se tem notícia a naufragar com africanos a bordo veio à tona com o recente resgate e estudos de fragmentos, mais de dois séculos depois. Entre eles, quatro barras de lastro, um bloco de polia de madeira dos aprestos do navio e um pedaço de madeira de manguezal do casco do São José. São modestas, mas assombrosas lembranças do comércio global de escravos de 400 anos que transformou 12,5 milhões de africanos em mercadoria e os despachou como carga para o hemisfério ocidental em grilhões.

O São José içou velas pela última vez no dia 3 de dezembro, após se abastecer com escravos em uma imponente fortaleza construída pelos portugueses um século antes na ilha de Moçambique, no leste da África. O navio, de propriedade de Antonio Pereira, irmão do capitão Manuel, navegou para o sul ao longo da costa, sob o calor do verão até se deparar com as traiçoeiras águas da Cidade do Cabo e ancorar perto da costa.

Por volta das duas horas da manhã, o vento forte soprou o navio para cima de um conjunto de rochas, a cerca de 50 metros da praia. O capitão tentou parar o navio usando outra âncora, mas a corda se partiu. E conforme a embarcação, pesada com barras de ferro fundido para lastro e seres humanos, era destroçada pelas águas, Manuel mandou um pequeno barco à praia com uma linha de resgate, mas ele também naufragou.

Foi só com a ajuda de uma equipe de resgate da Cidade do Cabo, que conseguiu estender uma corda com um cesto da praia até o navio, que a evacuação começou. As águas estavam violentas e congelantes, por causa da corrente antártica. O capitão, a tripulação e parte dos prisioneiros se salvaram. Mas 212 escravos se afogaram nas gélidas águas. Outros 11 morreram nos dias seguintes. Depois de tudo, os prisioneiros sobreviventes foram vendidos a compradores locais.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais