Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

story
Enkontra.com
PUBLICIDADE

Debate eterno

Reformas estruturais no Brasil são discutidas há mais de 150 anos

Primeira grande onda de mudanças em leis e normas ocorreu no governo de Dom Pedro II e precipitou a proclamação da República, em 1889

 |
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Política, previdenciária, trabalhista e fiscal. A necessidade de se fazer reformas no Brasil é um assunto recorrente a cada novo governo. Revisitando a história brasileira, descobre-se que esse é um debate antigo, que ocorre desde o período imperial. Foi durante a segunda monarquia, na metade do século 19, que o país passou pela primeira grande onda de reformas estruturais, com mudanças no sistema judiciário, no regime de trabalho, na educação e na administração pública. É o que conta a doutora em História Gizlene Neder, autora do livro As reformas políticas dos homens novos (Editora Revan).

Oito anos após o Brasil tornar-se independente de Portugal – o que ocorreu em 1822 –, a elite imperial começou a se preocupar em implantar mudanças legislativas no país. No entanto, de 1830 a 1849 pouca coisa foi feita na prática. Segundo Gizlene, que leciona na Universidade Federal Fluminense (UFF), a primeira grande reforma ocorreu em 1850 com a chamada Lei Eusébio de Queirós, que proibiu o tráfico de escravos para o Brasil, vetando uma importante atividade econômica na época. Considerado um dos primeiros passos rumo à abolição da escravidão, a lei recebeu o nome do seu autor, o senador e ministro da Justiça Eusébio de Queirós Coutinho Matos.

Um novo pacote de reformas só começou a sair do papel 20 anos depois, graças à ação dos chamados “homens novos”, denominação dada pelo escritor e jornalista José de Alencar a um grupo de jovens políticos do Partido Conservador, que tinham sido convidados a compor o governo no período da chamada “centralização monárquica”, após o golpe da maioridade de Dom Pedro II, em 1840. “Faziam parte deste círculo José Thomas Nabuco de Araújo, José Maria Paranhos, que era o visconde do Rio Branco, e Francisco Carvalho Moreira, o barão de Penedo. O que os unia era a rede de sociabilidade proporcionada pela maçonaria”, explica a pesquisadora.

Cinco eixos

Segundo Gizlene, as reformas implantadas no país a partir da década de 1870 obedeceram a cinco eixos principais: Justiça, Trabalho, Eleição, Educação e Administração (veja no box ao lado). Foi um período de efervescência política, com ativa participação de abolicionistas e republicanos influenciados pela escola positivista que culminaram com a Proclamação da República do Brasil em 1889.

O círculo dos chamados “homens novos” estiveram amplamente comprometidos com a profissionalização, a institucionalização e a modernização do campo jurídico, segundo a pesquisadora. “A atuação desta rede marcou uma diferenciação em relação às políticas adotada pelas velhas lideranças do Partido Conservador, conhecidas como carretilhas”, explica.

As carretilhas faziam referência a pequenas mudanças, dada a impossibilidade de reformas mais profundas pela reação conservadora. “Na visão dos homens novos, o procedimento fragilizava a institucionalidade do campo político no país. A alusão às carretilhas sugere o movimento vagaroso de quem dá corda aos poucos e segundo a necessidade”, ressalta Gizlene.

Ventos favoráveis

Conheça algumas das reformas do período imperial:

Reforma do trabalho

Lei do Ventre Livre (1871): liberdade aos filhos de mulheres escravas nascidos a partir desse ano.

Abolição da escravatura (1888): um dos últimos países a decretar o fim da escravidão

Reforma Judiciária

Profissionalização do juiz (1871): acabou o período de juízes leigos.

Reforma da educação

Lei do ensino livre (1879): retirou o monopólio do ensino superior atribuído às faculdades criadas pelo governo imperial.

Reforma Eleitoral

Novas regras (1874): institui, por exemplo, o voto secreto. Mudança proporcionou alterações na administração do Estado.

Reforma dos “privilégios”

Reforma na Guarda Nacional (1873): tirou a exclusividade do serviço militar apenas para homens pobres.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE