Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Meio Ambiente

Fechar
PUBLICIDADE

Preservação

Para evitar o sumiço das abelhas

Considerados indicadores de qualidade ambiental, insetos polinizadores sofrem ameaças diversas, de agrotóxicos ao desmatamento

Professor Oilton Macieira, da UEL: algumas espécies de abelha já desapareceram |
Professor Oilton Macieira, da UEL: algumas espécies de abelha já desapareceram
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Para evitar o sumiço das abelhas

Embora a maioria das pessoas as vejam simplesmente como fabricantes de mel, as abelhas são, provavelmente, o inseto mais importante para a vida na Terra. Segundo estudos da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), são elas as responsáveis pela polinização de, pelo menos, 70% das culturas, o que corresponde a 90% da oferta global de alimentos. Exatamente por isso, o desaparecimento repentino e ainda não explicado de abelhas no mundo durante os últimos anos tem preocupado especialistas. Enquanto na Europa o Greenpeace lançou uma campanha com o objetivo de protegê-las, no Brasil o assunto vem sendo discutido pela Confederação Brasileira de Apicultores (CBA), que pede a criação de leis que satisfaçam acordos internacionais de proteção aos polinizadores.

O presidente da CBA e da câmara setorial do mel em Brasília, José Cunha, recorda que o assunto foi debatido na Câmara Federal, no início de julho, por instituições, fabricantes, apicultores e pesquisadores. “Cada um defendeu seus interesses. Nosso objetivo é dar suporte para a comissão votar leis que satisfaçam acordos que o Brasil tem perante aFAO.” Cunha explica que o Brasil é um dos países que mais recebeu recursos para um projeto de polinizadores da FAO – segundo ele, são sete projetos em curso, um em cada bioma nacional. Ainda assim, o país está atrasado em questões como uso de agrotóxicos, substâncias que, comprovadamente, causam desorientação nas abelhas. “Elas saem para coletar néctar e não voltam.”

Inseticidas

Em abril, a União Europeia anunciou que três inseticidas mortais para as abelhas serão proibidos nos países membros durante dois anos, a partir deste mês. No Brasil, embora admita efeitos de agrotóxicos sobre as abelhas, o Ibama recuou. “Se lá não pode, por que vender no Brasil e na África? A alternativa que encontraram lá queremos para nós também”, ressalta Cunha. Segundo ele, o desaparecimento de abelhas, que atingiu os Estados Unidos, em 2006, está às portas do Brasil.

As áreas mais ameaçadas são as de monocultura de cana-de-açúcar, com aplicação aérea de agrotóxicos, as de citricultura e as do cerrado, onde as semeadeiras de ar comprimido deixam partículas suspensas no ar. “Esses agrotóxicos são sistêmicos. A planta se desenvolve e o produto tóxico vai para seiva, pólen, néctar, ficando no solo por até cinco anos. Mesmo na rotação de culturas continua presente, atingindo o lençol freático. Os polinizadores estão pagando um preço muito alto, é um passivo ambiental ainda incalculável.”

Projeto quer introduzir espécies nativas em produção de frutas

Além do prejuízo causado pelo desmatamento para avanço das áreas agrícolas, as abelhas indígenas sem ferrão – espécies nativas do Brasil – sofrem com a invasão das abelhas africanizadas e europeias, mais interessantes comercialmente por produzirem maior quantidade de mel. “As espécies africanas e europeias foram introduzidas no país na década de 1950 e se tornaram um fator de risco para as nativas porque são invasoras que tomam o nicho ecológico. Temos algumas espécies desaparecidas, mas não dá para falar em extinção ainda”, explica o professor de fisiologia e entomologia da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Oilton Macieira.

De acordo com o professor, as abelhas indígenas são importantes porque fazem o trabalho de polinização das plantas, oferecendo um risco muito menor ao ser humano. “No Japão, por exemplo, estufas gigantes, do tamanho de campos de futebol, são utilizadas para polinização com essas abelhas. A agricultura orgânica no Brasil está começando a ver as coisas dessa forma também, usando caixas de abelha em estufas onde não houve uso de agrotóxicos,” diz Macieira.

O número de espécies de abelhas indígenas no Paraná não é conhecido, mas estudos localizados encontraram 14 delas em Têlemaco Borba, nos Campos Gerais, e 16 em uma reserva ecológica no Norte do estado. Para preservá-las, Macieira e outros professores da UEL estão desenvolvendo um projeto para incentivar a introdução dessas espécies em propriedades que trabalham com apicultura.

Atualmente, o projeto está na fase de duplicação de ninhos. Posteriormente, produtores de frutas serão procurados pela equipe. “Estamos tentando conscientizar os produtores a terem caixas de abelha”, explica o professor.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais