Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Saúde

No Paraná, 13 hospitais podem fazer cirurgia bariátrica pelo SUS

Antes, apenas cinco hospitais eram credenciados. Com o aumento de equipes, a expectativa é que o tempo de espera diminua pela metade

  • Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A cirurgia bariátrica, para redução do estômago, é muito cara e são poucos os hospitais que fazem o procedimento pelo Sistema Única de Saúde (SUS). No Paraná, eram cinco hospitais que faziam a cirurgia, mas agora outros sete estabelecimentos receberam o credenciamento. Com isso, o estado tem 13 hospitais aptos a realizarem esse tipo de operação.

O Hospital de Clínicas (HC) e Santa Casa de Misericórdia, de Curitiba; o Hospital Angelina Caron, de Campina Grande do Sul e os Hospitais Universitários de Londrina e Maringá já realizavam o procedimento. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) autorizou mais sete hospitais a manterem equipes para realizar o procedimento.

Os estabelecimentos credenciados foram os Hospitais Evangélico e Cajuru, em Curitiba; Hospital e Maternidade Parolin, em Campo Largo; Hospital São Lucas, em Pato Branco; Hospital São Lucas, em Cascavel, Hospital Regional do Noroeste, em Paranavaí, e Santa Casa, de Londrina.

Segundo o funcionário da Sesa Ivanur Carulla, os hospitais devem preencher alguns critérios técnicos para poderem receber o credenciamento. É necessário dispor de um serviço ambulatorial, equipe multiprofissional, camas especiais e leitos de UTI que suportem o peso dos pacientes.

De acordo com o telejornal ParanáTV 1ª Edição, da RPCTV, com esse acréscimo de hospitais, a expectativa da Sesa é de que o tempo de espera, que hoje é de dois a três anos, diminua pela metade. Mas para chegar à fila de uma cirurgia tão delicada, também há exigências. O paciente precisa passar por uma bateria de exames com endocrinologista, cardiologista, pneumologista, fisioterapeuta, nutricionista e psicólogo.

O Hospital Evangélico, em Curitiba, já começou a cadastrar e a fazer os exames nos primeiros pacientes. O médico Paulo Nassif comenta que também é preciso combater as doenças que vêm junto com a obesidade, como o diabetes, pressão alta, desgastes articulares, as dores persistentes e a apneia do sono. Elas podem causar a deterioração da saúde se os pacientes permanecerem com o excesso de peso.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE