Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Restrição

Os fumódromos estão por um fio

Proposta aprovada pelo Senado proíbe nacionalmente os espaços para fumantes, mas abre brecha para publicidade institucional

  • Ponta Grossa - Maria Gizele da Silva, da sucursal, com agências
Se sancionada, MP proíbe fumódromos nacionalmente e libera propaganda |
Se sancionada, MP proíbe fumódromos nacionalmente e libera propaganda
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Se a Medida Provisória 540, aprovada nesta semana pelo Senado, for sancionada pela presidente Dilma Rousseff, serão proibidos os fumódromos em todo o país. A proposta, que tem o apoio do governo federal, impõe restrições à publicidade nos pontos de venda, encarece o produto e aumenta o alerta nos maços de cigarro sobre os malefícios à saúde. Porém a medida libera a publicidade institucional, o que é alvo de crítica entre quem defende o combate irrestrito ao tabagismo. Leis semelhantes que proíbem os fumódromos em espaços coletivos, públicos ou privados, já estão em vigor no Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. A vice-diretora da Aliança de Controle do Tabagismo, Mônica Andreis, afirma que a proibição não visa a ajudar os fumantes a abandonarem o vício, mas garantir um ambiente livre da fumaça do cigarro para as pessoas que trabalham em locais próximos.

O presidente-executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) no Paraná, Luciano Bartolomeu, vê a eliminação dos fumódromos em todo o país com preocupação. “As pessoas podem começar a procurar os bares clandestinos, que não têm nem alvará nem vistoria do Corpo de Bombeiros”, argumenta.

Um dos artigos do MP proíbe a publicidade em pontos de venda, mas continua permitindo a exposição dos maços aos olhos do público. Para Mônica, a exposição deveria ser banida para evitar que os jovens se sintam estimulados a comprar cigarro.

O coordenador do Programa de Controle do Tabagismo da prefeitura de Curitiba, João Alberto Lopes Rodrigues, acrescenta que a publicidade, bem como a existência do fumódromo, estimula o hábito do tabagismo. Segundo ele, em Curitiba, onde a lei municipal antifumo completa dois anos neste mês, 45% dos que faziam uso desses espaços conseguiram largar a dependência.

O artigo terceiro da lei federal, no entanto, permite a divulgação institucional da indústria fumageira, desde que não seja exaltado o produto, mas sim a em­­presa ou a instituição. Para Mônica, essa possibilidade é contraditória. “A Aliança de Controle do Ta­­bagismo e membros da sociedade civil vão pedir que a presidente Dilma revogue esse artigo, porque as pessoas vão ligar a imagem da empresa ao produto”, acrescenta.

Se sancionada, a lei ainda precisa ser regulamentada para fixar valores de multas. No Paraná, a lei antifumo vigora nos mesmos moldes da nacional. Uma diferença está nas tabacarias. No estado, o consumo de cigarro é permitido nesses ambientes, enquanto a lei nacional prevê a restrição ao fumo em tabacarias que vendam bebida e comida para consumo no próprio local. Outra diferença – mas uma restrição –, presente na lei estadual, é a proibição do fumo em veículos em que estejam crianças ou gestantes.

Cigarro deve ficar 20% mais caro caso medida seja sancionada

Além da proibição dos fumódromos, se aprovada, a MP 540 também estabelecerá em 300% a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o cigarro, encarecendo o produto em 20% a partir do início do ano que vem. Aliada às demais medidas restritivas, esse aumento é uma aposta para reduzir o consumo de cigarro. Hoje, segundo dados do Ministério da Saúde, 15% dos brasileiros fumam, contra 35% na década de 1980.

Entidades representativas da indústria fumageira (Sindicato da Indústria do Tabaco e da Associação Brasileira da Indústria do Fumo) não se pronunciaram ontem sobre as medidas, mas a empresa Philip Morris Brasil declarou que apoia mudanças na tributação. “Tais modificações proporcionarão uma tributação mais apropriada do setor, ampliando a previsibilidade de arrecadação e o nível de formalização do mercado”, informou em nota.

A empresa criticou, no entanto, as demais medidas restritivas. “Neste novo cenário, a empresa avalia que seus negócios serão substancialmente afetados, em especial a sua capacidade de se comunicar com adultos fumantes”, divulgou em nota, acrescentando que o setor defende uma “regulamentação equilibrada” baseada em “evidências científicas” sobre os possíveis malefícios do fumo.

Serviço:

Por causa dos dois anos da lei antifumo em Curitiba, neste sábado, dia 26, a Secretaria Municipal de Saúde promove um dia de atividades alusivo ao tema Combate ao tabagismo. A programação ocorrerá na Boca Maldita, das 9h às 13h30.

* * * * *

Interatividade

Você concorda com a permissão da propaganda das empresas de cigarro?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE