Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Mapa da Violência

Paraná é o terceiro estado no ranking da violência contra a mulher

Estado tem 6,3 mulheres assassinadas por 100 mil habitantes femininas. Índice é maior que a média nacional e que a taxa de países como Colômbia e Cazaquistão

  • Felippe Anibal
  • Atualizado em às
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A poucos meses de completar seis anos de vigência da Lei Maria da Penha, o Paraná foi apontado como a terceira unidade da federação em violência contra a mulher. Com 388 homicídios femininos registrados em 2010, o estado teve uma taxa de 6,3 assassinadas para cada 100 mil mulheres. Espírito Santo (com 9,4 casos/ 100 mil mulheres) e Alagoas (8,3/100 mil) lideram o rankinkg. Os números fazem parte de um estudo complementar do Mapa da Violência, divulgado nesta segunda-feira (7), pelo Instituto Sangari.

O índice de mulheres assassinadas no Paraná supera a média nacional, que ficou em 4,4 homicídios femininos por grupo de 100 mil. A taxa paranaense também é maior do que a de países como a Colômbia (6,2 por 100 mil mulheres), Belize (4,6) e Cazaquistão (4,3).

O Paraná tem, ainda, cinco municípios com mais de 26 mil habitantes entre os 50 com mais casos de assassinatos de mulheres em relação à própria população feminina. Piraquara, na região metropolitana, ocupa o segundo lugar no ranking, com 11 mulheres vítimas de homicídio e taxa de 24,4 casos por 100 mil habitantes do sexo feminino. As outras cidades paranaenses da lista são Araucária (22º lugar), Fazenda Rio Grande (32º lugar), Telêmaco Borba (39º) e União da Vitória (46º).

Curitiba aparece em 59º lugar no rol. De acordo com o estudo, a capital paranaense teve taxa de 4,7 mulheres assassinadas por 100 mil (95 homicídios). Apesar de ser superior ao índice nacional, a cidade está em 21º lugar no ranking das capitais com mais casos de violência contra a mulher.

Inimigo íntimo

A pesquisa revela que as mortes se concentram na faixa etária entre 20 e 29 anos (com 7,7 mulheres assassinadas por 100 mil habitantes femininas). Na maioria esmagadora dos casos, o assassino está dentro de casa: em 27,1% dos assassinatos, o autor do crime é o próprio cônjuge da vítima; em 8,3% é o ex-companheiro quem comete o crime. Em 68% das vezes, os assassinatos são cometidos na própria residência das mulheres.

O levantamento vai ao encontro da análise do delegado Rubens Recalcatti, chefe da Delegacia de Homicídios (DH) de Curitiba. Para ele, nos últimos dez anos, houve uma mudança drástica no comportamento das mulheres, o que contribui para a multiplicação dos casos. "As mulheres passaram a frequentar o mundo das drogas e a se relacionar com pessoas erradas. Elas queriam direitos iguais e, quando os conquistaram, não souberam o que fazer. É preciso respeitar as igualdades e desiguldades de cada um", pontuou o delegado.

Para a presidente da Comissão da Mulher Advogada, da Ordem dos Advogados do Brasil, Sandra Lia Leda Bazzo Barwinski, a violência contra a mulher no país está arraigada e é perpetuada em família, independentemente das classes sociais. "Só acontece com quem se submete a essa cultura em que o homem pode bater na mulher e, inclusive, matá-la. Para a mulher, seja por dependência afetiva ou financeira, é difícil romper essa barreira", disse.

Perspectivas

Sandra defende uma posição mais sólida por parte do estado no que se refere à defesa das mulheres. Para a advogada, o cenário só poderá ser mudado prioritariamente com educação. "Mais do que nunca, acho que o estado precisa se empenhar. Não é só falar em políticas públicas como discurso político. Nós precisamos de um orçamento e de um planejamento, para que sejam implementados mecanismos para coibir [a violência contra a mulher]", avaliou. "É preciso que se tenha condições de se tornar a Lei Maria da Penha efetiva", complementou.

Recacaltti destaca que o debate é importante para mudar este quadro de violência. Para ele, a mulher deve reavaliar seu papel e suas prioridades. "Elas precisam saber com quem se envolvem, que tipo de pessoas encontram em baladas. Essa pessoa pode ser o futuro assassino", avisou.

Cidades da RMC entre as mais violentas

Piraraquara, Araucária e Fazenda Rio Grande, municípios da região metropolitana de Curitiba (RMC), aparecem na lista das cidades com mais de 26 mil habitantes com mais casos de violência contra mulheres. Piraquara, por exemplo, aparece em segundo lugar no ranking, com taxa de 24,4 mulheres vítimas de homicídio por 100 mil habitantes femininos.

O que chama a atenção é a escalada dos assassinatos femininos nestes municípios paranaenses. Em Piraquara, o número de mulheres assassinadas saltou de dois em 2008, para 11, em 2010. Em Araucária, os homicídios femininos aumentaram de um para oito, no mesmo período.

Para o delegado Rubens Recalcatti, as tensões verificadas em Curitiba se veem acentuadas na região metropolitana, principalmente em áreas de invasão. Nestes locais, o envolvimento das mulheres com o tráfico de drogas seria um grande motivador dos assassinatos, segundo o delegado. "São cidades onde os bandidos dormem, o que aumenta os casos de violência", avaliou.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE