PUBLICIDADE
Perda

Pioneiro, defensor das mulheres e da vida saudável

O paranaense Moysés Paciornik era um médico reconhecido internacionalmente por suas descobertas. Na década de 70 ele percorreu o sul do país e através de estudos científicos descobriu que as índias da tribo caingangue tinham uma constituição física melhor que as mulheres da cidade, mesmo tendo mais filhos. Para ele, o estilo de vida moderno, com o repouso constante em bancos e cadeiras, causava mais envelhecimento e por isso as índias levavam vantagem quando o assunto era musculatura pélvica e boa saúde. Daí surgiu a defesa do parto de cócoras, em 1975.

Paciornik nasceu em 4 de outubro de 1914 em Curitiba e se formou em Medicina na Universidade Federal do Paraná em 1938. Foram mais de 70 anos dedicados à profissão. Após a faculdade, especializou-se na área de Ginecologia e Obstetrícia e foi trabalhar no Hospital de Crianças. Quinze anos depois fundou a Casa da Saúde Moysés Paciornik. Foi um dos pioneiros na luta contra o câncer ginecológico e ajudou a fundar o Centro Paranaense de Pesquisas Médicas, que estudava a doença. Também foi professor universitário e fundou na Universidade Federal do Paraná a cadeira de Higiene Pré-Natal, em 1952.

Na década de 60 o Centro Paranaense de Pesquisas Médicas passou a fazer exames de prevenção de câncer do colo do útero e Paciornik e sua equipe encontravam muitas mulheres que tinham preconceito e vergonha de fazer o exame papanicolau. Na época, o câncer era uma das principais causas da mortalidade feminina. Com a difusão do exame, o número de mortes caiu.

O médico era conhecido por sua inseparável gravata borboleta e sempre estava com roupas brancas. Ele foi colunista dominical da Gazeta do Povo por vários anos e as crônicas renderam a publicação de oito livros, além de dois inéditos, prontos para publicação. Há quinze anos ingressou na Academia Paranaense de Letras ocupando a cadeira número 35. Entre os principais títulos estão Brincando de Contar Histórias, Histórias da Terra, Erros Médicos, Aprenda a Nascer com os Índios, Aprenda a Viver com os Índios, Mafiosos de Branco e Conflitos Psicossociais em Consultório Médico.

Até os 90 anos de idade Paciornik subia e descia as escadas de seu prédio, intercalando os exercícios da “ginástica índio-brasileira” se agachando e levantando diversas vezes. Eram 19 andares. Nos últimos anos a saúde permitia que ele “somente” descesse. Sempre praticou caminhadas e tinha uma dieta alimentar especial, sem açúcar e gorduras. O médico recebeu diversas homenagens em vida, entre elas o título de Cidadão Benemérito do Paraná e Destaque em Prática Médica da Associação Médica do Paraná. A última foi o prêmio Estado do Paraná, no início de dezembro, em comemoração aos 155 anos da Emancipação Política do estado.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO