Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

orçamento

Pré-sal decola em 2016 e ajuda educação

Apesar da melhora no cenário, valor arrecadado pelo Fundo Social ainda está aquém das expectativas

  • Rosana Felix
 | Steferson Faria/Agência Petrobras
Steferson Faria/Agência Petrobras
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A produção de petróleo na camada pré-sal vem subindo gradativamente nos últimos meses, com recordes registrados em dezembro de 2016, já superados em janeiro de 2017. Aliada à melhora da cotação internacional, a exploração gerou dividendos de R$ 2,44 bilhões para o Ministério da Educação, por meio do Fundo Social.

Em dezembro de 2016, a produção chegou a 1.571 milhões de barris de óleo equivalente por dia (Mboe/d). Isso é quase o dobro do registrado dois anos antes: 816 Mboe/d. A cotação do barril também subiu: estava em US$ 62 em dezembro de 2014, caiu para US$ 30 no início de 2016 e voltou para o patamar de US$ 54 no fim do ano passado.

INFOGRÁFICO: Royalties do pré-sal para a educação

Com isso, o desempenho do Fundo Social melhorou. Em 2015, foram revertidos R$ 1,75 bilhão para o Ministério da Educação, bem abaixo da estimativa inflada prevista pela equipe de Dilma Rousseff e aprovado pelo Congresso: R$ 6,6 bilhões. Em 2016, as expectativas foram menores (R$ 4,2 bilhões), mas uma parte maior se concretizou: R$ 2,44 bilhões.

O fundo é composto pelos royalties do petróleo destinados à União, participação especial, parcela do valor do bônus de assinatura dos contratos de partilha de produção e pela receita advinda da comercialização de petróleo e derivados.

Pela lei nº 12.858/13, 50% do Fundo Social é destinado para a educação e saúde. Mas a falta de regulamentação impede que o dinheiro seja devidamente distribuído. Só o MEC tem recebido recursos dessa fonte, e sempre em proporção menor do que a esperada.

Frustrante

Quando Dilma sancionou a lei em 2013, a economia brasileira ainda crescia e o petróleo estava cotado em US$ 100 o barril. O governo projetava que a educação e saúde receberiam R$ 112 bilhões em royalties entre 2013 e 2022.

Entretanto, o sonho da riqueza rápida com o pré-sal desmoronou com o desaquecimento da economia, a cotação baixa do petróleo e o impacto da Operação Lava Jato sobre a Petrobras – que a obrigou a rever investimentos.

Apesar da melhora de cenário observada em 2016, o Brasil não deve contar com os recursos do pré-sal para financiar áreas fundamentais. Essa é a avaliação do cientista social José Eustáquio Diniz Alves, professor na Escola Nacional de Ciências Estatísticas/IBGE, uma voz sempre crítica à “promessa do bilhete premiado” propagandeada junto com a descoberta da nova camada.

“Por uma questão estratégica, é preciso explorar o pré-sal. Mas, em termos de energia, o que vai garantir a continuidade do século XXI são as energias renováveis. No ano passado a China adicionou o equivalente a três Itaipus em energia renovável, e isso tem ocorrido com velocidade crescente. A exploração do pré-sal é cara e não vale a pena gastar tanto dinheiro com uma tecnologia velha, do século passado”, opina o professor.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE