Vida e Cidadania

Fechar
PUBLICIDADE

Batismo

"Professor Pardal", Vassourinha", "Satiagraha"... Saiba como surgem os nomes das operações da PF

Há 12 anos, PF abusa de criatividade para nomear as ações que conduz. Saiba como são escolhidos esses nomes

 |
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

"Professor Pardal", Vassourinha", "Satiagraha"... Saiba como surgem os nomes das operações da PF

"Cavalo de Fogo" e "Professor Pardal" são nomes de personagens de desenhos animados, mas perderam a "exclusividade” por culpa da polícia – mais especificamente, da Polícia Federal (PF). Há 12 anos, a instituição passou a batizar suas ações com nomes incomuns e bem-humorados, como esses, em um trabalho que se tornou, também, uma verdadeira “operação”.

A "Operação Cavalo de Fogo" foi assim batizada porque durante as investigações contra o tráfico de drogas, no Paraná, os policiais encontraram uma carreta abarrotada de armas. Já a "Professor Pardal" teve a alcunha determinada após a descoberta de uma quadrilha que criava sofisticados fundos falsos em carros para enganar a polícia. O mecanismo continha um botão capaz de fazer o fundo falso desaparecer, evitando sua descoberta.

Oficialmente, a Polícia Federal (PF), via assessoria de imprensa, diz que cada delegado é responsável por dar nomes das operações. Mas um agente da PF que acompanha de perto as investigações - e prefere não se identificar - conta que a prática reflete uma verdadeira metodologia criada na corporação.

O primeiro passo foi transformar ações dispersas, com mandados de prisões ou de busca e apreensão sendo cumpridos de maneira isolada, em grandes operações. Isso evitou que as quadrilhas tivessem tempo para articular estratégias para fugir ou ludibriar os agentes. Também impediu que os suspeitos ensaiassem discursos falsos com vistas a evitar contradições nos depoimentos. Na nova metodologia, portanto, o fator surpresa se tornou um trunfo dos policiais.

Nesse contexto de mudança, a nomenclatura cifrada e figurativa das operações é importante porque facilita a manutenção, por parte dos agentes envolvidos, do sigilo das investigações em curso, inclusive junto aos colegas de corporação. Isso faz com que dados estratégicos não se espalhem e não corram risco de chegar, ainda que acidentalmente, ao conhecimento dos suspeitos.

A primeira operação nesses moldes foi a "Vassourinha", em setembro de 2002. A ação dos policiais tinha como objetivo "varrer" um grande esquema de corrupção, que tinha também o envolvimento de policiais e funcionários públicos. Logo, o termo usado no batismo do trabalho fazia alusão ao ato de "limpar" a corrupção descoberta pelos agentes.

Desde então, a Polícia Federal realizou exatas 2.214 operações com essa estrutura e batizadas com nomes diferentes. Entre os mais lembrados, estão a "Satiagraha" (caminho da verdade, em sânscrito) e a "Loki" (deus da mitologia nórdica que simboliza a trapaça). Confira, abaixo, outros exemplos.

Operações recentes de destaque da PF no Paraná

Operação Cavalo de Fogo: Feita para desarticular uma quadrilha dedicada ao tráfico internacional de drogas, prendeu 156 pessoas. O nome foi escolhido porque, ao longo das investigações, um caminhão carregado com armas de fogo foi apreendido.

Operação Lava-Jato: Investigações descobriram um esquema criminoso suspeito de movimentar pelo menos R$ 10 bilhões, envolvendo pessoas conhecidas e influentes, como o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef. Trinta pessoas foram presas e devem responder por diversos crimes. Entre os comércios usados para lavar dinheiro estariam lavanderias, o que motivou a escolha do nome.

Operação Mirante da Campina: A ação da PF descobriu uma quadrilha especializada no roubo de cargas e veículos na rodovia BR-116, principal ligação rodoviária entre o Paraná e São Paulo. Vinte pessoas foram presas. Os criminosos utilizavam um pinheiro no alto de um morro para monitorar o trabalho policial, fazendo da planta uma espécie de mirante, elemento escolhido para nomear a operação.

Operação Tacape: A operação cumpriu quatro mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva em Pato Branco, no Sudoeste do Paraná, para desarmar uma liderança indígena da região. Tacape é uma palavra indígena que significa arma valente na guerra. A ferramenta é uma espécie de porrete utilizado para fins de guerra e de caça pelos índios antigos.

Operação Agro-Fantasma: Um esquema de desvio de recursos público do programa de assistência social Fome Zero, por cooperativas, foi o alvo da ação. Catorze pessoas foram presas sob acusação de inventar produtos, a partir de estoques inexistentes, que recebiam o dinheiro do programa.

Operação Fractal: As investigações desmontaram um esquema que utilizava jogos de azar para obter dinheiro ilegal. Foram presas 34 pessoas, sendo 16 funcionários públicos. A PF utilizou o nome fractal, que é um elemento da matemática, diante do fato de a quadrilha ter se infiltrado em diversos órgãos públicos. A PF justificou a decisão informando que “fractal é um objeto que apenas encontraria regras na irregularidade, com grande capilaridade, definindo bem a atuação do grupo.”

Operação Professor Pardal: O personagem de desenho animado, famoso por suas engenhocas, foi o mote dessa operação da PF. No total, 16 pessoas acusadas de traficar drogas foram presas. O grupo criminoso criava fundos falsos nos veículos utilizados para o transporte de drogas. Em alguns casos, a quadrilha elaborava sistemas eletromecânicos de liberação de painéis acionados por botões pressionados simultaneamente, o que gerou a alusão ao personagem dos desenhos.

Operação Glasnost: A ação de combate à pedofilia adotou esse nome em russo porque servidores da Rússia eram utilizados para espalhar conteúdo ilegal pela internet. Glasnost significa transparência e foi o termo escolhido pela polícia para sinalizar que centenas de brasileiros estavam envolvidos no compartilhamento de imagens de exploração sexual de crianças e adolescentes.

Operação Papel Furado: Feita para apurar possíveis práticas de delitos contra o INSS, como a violação de sigilo funcional. Ninguém foi preso, e a ação foi batizada assim por causa do modo ilegal como as associações que praticaram os crimes obtinham os dados cadastrais dos segurados da Previdência Social.

Operação Roleta Russa: Como o nome já diz, a operação foi feita para combater um esquema que explorava jogos ilegais, como bingos e máquinas caça-níqueis.

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais