Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Vida e Cidadania

Fechar
PUBLICIDADE

Preocupação ambiental

Selo Life reconhece empresas verdes

Certificação premia boas práticas do setor privado na conservação da biodiversidade. Iniciativa nasceu em Curitiba

Henrique Gaede é sócio de um escritório de advocacia que tem preocupação ambiental: “Fomos buscar um projeto de vanguarda” |
Henrique Gaede é sócio de um escritório de advocacia que tem preocupação ambiental: “Fomos buscar um projeto de vanguarda”
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Para algumas empresas, pro­te­ger o meio ambiente vai além de separar o lixo e apa­gar a luz ao desocupar uma sala. Um sistema de pon­tos, que calcula quanto foi usa­do de recursos naturais e o que precisa ser feito pa­ra com­pensar a natureza, é o prin­cípio de uma certifica­ção de biodiversidade que surgiu em Curitiba e é pioneira no mun­do. Amanhã, em um even­to no Rio de Janeiro, será entregue a primeira certificação do Instituto Life – Las­ting Initiative for Earth, sigla em inglês para Iniciativa Du­radoura para a Terra.

O Life surgiu em 2009, como anseio de um grupo de ambientalistas que se perguntaram: como engajar o setor privado em ações de conservação de biodiversidade? A secretária executiva Maria Alice Alexandre conta que entre as várias saídas discutidas prevaleceu a ideia de aliar um sistema de certificação por gestão ambiental, semelhante ao ISO 14 mil, com ações efetivas para a preservação de áreas naturais.

O passo seguinte foi criar um método para avaliar impactos e compensações. Apesar de estabelecer todas as regras, o Life não é certificador. O Tecpar, Instituto de Tecnologia do Paraná, é que vai até as empresas para verificar se as exigências foram cumpridas. A iniciativa contou com o suporte de grandes empresas, como O Boticário e Posigraf. Hoje, além do setor privado, organizações internacionais financiam o projeto.

Os custos variam de acordo com o porte da empresa, o segmento em que atua e a quantidade de pontos que precisa atingir para compensar o uso do ambiente. “É compatível com o impacto. Uma mineradora terá de fazer muito mais do que um escritório de advocacia”, diz. Como há um acompanhamento anual, a empresa precisa reduzir os indicadores – como gastos com energia e água – para manter a certificação, que tem validade de cinco anos. “Não aceitamos empresas que querem continuar poluindo e que busquem apenas uma ação compensatória, sem mudança de atitude”, comenta.

Cada gasto e cada compensação tem pontuações diferentes, definidas a partir de um mapeamento de prioridades. Aplicar em pesquisa e ou em uma ação de educação ambiental vale menos pontos do que cuidar de uma área repleta de espécies ameaçadas de extinção. “Consumir muita água em lugares em que há fartura é diferente de fazer a mesma coisa em locais com baixa disponibilidade hídrica. Assim como a Mata Atlântica – até por restar menos – é mais prioritária do que a Amazônia”, explica Maria Alice.

O escritório de advocacia Gaia, Silva, Gaede & Associados, em Curitiba, foi o primeiro a cumprir todos os requisitos. A Itaipu Binacional está em processo de certificação e outras grandes empresas já iniciaram as mudanças internas para se habilitarem. Além de dividir informações com organizações de vários outros países, o Life está se preparando para atuar no Paraguai, no Chile e na Argentina.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais