Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Greve parcial

Sem acordo na Justiça, greve de ônibus continua pelo menos até terça em Curitiba

Partes não chegaram a um acordo em audiência; caso novas propostas não surjam até terça-feira, dissídio pode ir a julgamento

  • Laura Beal Bordin
 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Daniel Castellano/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quatro horas de audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) não foram suficientes para que motoristas e cobradores do transporte coletivo, empresas de ônibus, Urbs e Comec chegassem a um acordo sobre o reajuste dos trabalhadores. Com isso, a greve de ônibus em Curitiba continua.

Uma nova audiência foi marcada entre as partes para a próxima terça-feira (21) na tentativa de buscar um novo acordo. Caso as partes não entrem em um consenso na próxima terça, o dissídio coletivo deve ir a julgamento.

Tempo real: terceiro dia da greve de ônibus complica ainda mais a vida dos passageiros

Durante a reunião, não houve nova proposta do Setransp, sindicato patronal, que continuou oferecendo um reajuste de 5,43% - índice da inflação. O Sindimoc, sindicato que representa os motoristas e cobradores, pede 15% de aumento salarial e elevação do vale-alimentação de R$ 500 para R$ 977.

A desembargadora Marlene Suguimatsu, que comandou a audiência, pediu para que as partes conversem já na segunda-feira (20), na tentativa de encontrar uma saída para a greve. A magistrada pediu um esforço do Setransp, Urbs e Comec na tentativa de elevar a proposta. Ao mesmo tempo, solicitou ao Sindimoc que repense o reajuste de 15% solicitado. “É preciso de haja um esforço de todos na tentativa de alcançar um acordo. Porém, é preciso trabalhar com patamares reais. Se tem visto poucos acordos em que os trabalhadores recebem um pequeno aumento real acima da inflação. Se a demanda for a julgamento, minha experiência diz que o aumento pedido não acontecerá”, disse.

O Sindimoc informou que vai conversar com a categoria, mas que não fará assembleias antes da audiência marcada para terça-feira.

Durante a audiência, as partes discutiram longamente vários fatores que interferem no valor da tarifa de ônibus, mas pouco se falou sobre a possibilidade do aumento pedido pelos trabalhadores ser concedido. Enquanto o Sindimoc não abriu mão do porcentual, o Setransp não apresentou contraproposta além do índice da inflação.

Multa poderá dobrar

Enquanto a audiência acontecia no TRT, várias denúncias começaram a surgir de que cobradores estavam sendo retirados das estações-tubo e de que os passageiros eram impedidos de entrar. Alguns cobradores afirmaram que deixaram os postos por ordem do Sindimoc.

Na audiência, a desembargadora Marlene Suguimatsu chegou a citar a denúncia de que os cobradores não estariam trabalhando por ordem do sindicato dos trabalhadores e cogitou a possibilidade de dobrar a multa atualmente estabelecida em caso de descumprimento da liminar que garante 50% da frota circulando em horários de pico e 40% em horários normais. “Se essa denúncia se confirmar, eu vou dobrar a multa. Isso aqui não é uma brincadeira. Vocês não são donos do direito de greve”, disse a desembargadora. Atualmente, a multa é de R$ 100 mil por hora e poderia passar a R$ 200 mil.

No centro da cidade, a informação é de que passageiros esperaram ônibus biarticulados como o Centenário-Campo Comprido e Pinhais-Rui Barbosa por mais de 1h30. De acordo com o Setransp, 60 estações-tubo ficaram sem cobradores. A Urbs precisou trocar os ônibus biarticulados por outros veículos articulados, com cobradores, para que o sistema voltasse ao operar no eixo Leste-Oeste da capital paranaense.

O Sindimoc negou que tenha tirado os trabalhadores dos postos de trabalho e afirmou em nota que está buscando identificar quem, de acordo com o sindicato, se passou por membros da entidade.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE