Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Vida e Cidadania

Fechar
PUBLICIDADE

Escola

Um terço dos professores não lê livros

Dados do Prova Brasil revelam que 55% dos docentes da educação básica não leem literatura com frequência. Resultado afeta a formação do aluno

Para Sheila Machado, o baixo salário e a falta de tempo não são desculpas para não ler: “Vou muito a sebos, troco com colegas” |
Para Sheila Machado, o baixo salário e a falta de tempo não são desculpas para não ler: “Vou muito a sebos, troco com colegas”
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Os professores da educação básica brasileira (ensino fundamental e médio) não gostam de ler. Segundo dados do questionário da Prova Brasil 2011, 21% dizem que leem às vezes e 34% nunca entram em contato com um livro. Ou seja, menos da metade tem esse prática. As causas são várias, entre elas a formação deficiente do docente, que não inclui a leitura como parte importante de seu desempenho profissional; a falta de tempo devido à dupla jornada para compensar os baixos salários; e o pouco incentivo do poder público.

No primeiro caso, a falta de valorização da leitura é apenas mais um fator da defasagem de qualidade dos cursos de Pedagogia e licenciatura, apontada pelos especialistas como um dos grandes problemas da educação hoje. Além de um currículo fraco, a carreira não consegue atrair jovens com um bom histórico escolar.

Quanto ao tempo diário de trabalho, a maioria dos professores atuam em dois períodos – ou até três – para dobrar o salário. O tempo que eles têm livre geralmente é na própria escola, a chamada hora-atividade, mas ela é voltada à preparação de aulas e correção de trabalhos e provas. “O ideal seria que dentro dessa hora-atividade existisse mais uma ou duas horinhas para que ele pudesse ler outras coisas que não as relacionadas à sua disciplina. Mas é complicado porque hoje já se faz milagre com o tempo que se tem”, diz a professora do Departamento de Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Suzete Bonatto.

Influenciador

O principal efeito de um professor que não lê é a não formação de novos leitores. Ou seja, de alunos que não vão ter gosto pela leitura nem vão entender a importância dela. De acordo com o escritor e professor Paulo Venturelli, a leitura fundamental é a literária. É ela que vai desenvolver a inteligência e a sensibilidade, além de mudar a percepção que o professor tem do mundo e das coisas. “Esse é o problema principal da educação do Brasil, a falta de leitura. O professor não sabe o que fazer com o livro e não sabe ensinar o aluno a usá-lo.”

Por isso, mesmo que a pesquisa mostre que os índices são maiores em outros tipos de leitura, como jornal – 63% leem sempre – e revista – 65% leem sempre –, por exemplo, a leitura literária tem um papel que não pode ser substituído.

Segundo a pesquisa Re­­tratos da Leitura no Brasil 2012, do Instituto Pró-Livro e Ibope, o principal influenciador de leitura de crianças e jovens é o professor – 45%, superando o papel da mãe, que é de 43%.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais