Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Perfil

A paisagem eterna de Lange

Lange de Morretes, um dos artistas que melhor captou o espírito das paisagens paranaenses, repousa em seu túmulo como sempre quis: em pé, de frente para o Pico Marumbi, em meio à natureza de sua cidade natal

  • Franco Caldas Fuchs, especial para a Gazeta do Povo
Aluno de Lange, Mirtillo Trombini mostra a reprodução que fez de um autorretrato do pintor |
Aluno de Lange, Mirtillo Trombini mostra a reprodução que fez de um autorretrato do pintor
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A paisagem eterna de Lange

Morretes - Durante a vida, o pintor e cientista Frederico Lange de Morretes se debruçou sobre a natureza do Paraná. Após a morte, em 19 de janeiro de 1954, não foi diferente. No cemitério de Morretes, o artista nascido em 1892 repousa em pé, de frente para ao Pico Marubi, adornado por pedras da montanha, plantas nativas e caramujos – animais que pesquisou por tantos anos.

“Na época, muitos acharam estranho o pedido de Lange para ser enterrado em pé. Mas essa foi a forma de ele demonstrar respeito à montanha que tanto frequentou e retratou. É como se ele pudesse ver o Marumbi mesmo após a morte”, diz o historiador, ambientalista e montanhista Paulo Henrique Schmidlin, 79 anos, que conheceu o pintor no início da década de 1950 em Curitiba.

Apesar de estar eternizado em Morretes, Lange expandiu os seus limites para além dos morros da cidade. Depois de passar a infância em Morretes, onde teve as primeiras aulas de pintura com Alfredo Andersen (1860 -1935) – considerado o pai da pintura paranaense –, Lange se mudou com a família para Curitiba. Aos 18 anos, seguiu para a Alemanha. “Foi por intermédio de Andersen que Lange conseguiu uma bolsa de estudos para aperfeiçoar sua pintura nas cidades de Leipzig e Munique”, conta o pesquisador e sociólogo Luis Afonso Salturi, que concluiu uma dissertação de mestrado sobre Lange em 2007 e agora prepara um livro sobre o artista. Segundo Salturi, foi na Alemanha que Lange acrescentou o Morretes a seu nome, visto que lá, o sobrenome Lange era muito comum. “Foi uma forma de ele se diferenciar e demostrar que tinha orgulho de sua origem”, diz Salturi. Na Alemanha, Lange ainda desenvolveu estudos de zoologia e casou com a cantora lírica Bertha Bamberger.

Um novo homem

Voltando ao Brasil em 1920, casado e com filhos, Lange deu início a uma sólida carreira no mundo das artes e da ciência. Instalado em Curitiba, o pintor fez suas primeiras exposições, agradando a crítica com sua técnica impressionista e seus motivos paranistas. Ao lado de amigos como João Turin (1878-1949) e João Ghelfi (1890-1925), destacou-se ao captar o espírito das paisagens paranaenses. A força das cataratas e a imponência dos pinheiros foram algumas das imagens que mais estiveram presentes em suas telas, que também retrataram cenários do Litoral.

Nesta fase da vida, as aulas de pintura eram a fonte de sustento de Lange. “Entre 1933 e 1934, ainda adolescente, tive o prazer de ter aulas com o Lange”, lembra o industrial e pintor morretense Mirtillo Trombini, de 90 anos. “A técnica de desenho eu aprendi com ele, em aulas que aconteciam na sua casa, na Rua Coronel Dulcídio”, diz Trombini, que até hoje guarda uma reprodução sua de um autorretrato do mestre.

Depois de uma temporada em São Paulo, Lange participou do movimento que criou a Escola de Música e Belas Arte do Paraná (Embap), onde se tornou professor, assim que a escola foi inaugurada em 1948. Nessa época, porém, colegas próximos afirmavam que Lange andava melancólico e já anunciava a data de sua própria morte. “Para maior surpresa dos amigos, (Lange) veio a falecer no tempo por ele previsto. Na ocasião, eu me encontrava em Curitiba, montando uma exposição, e foi com grande pesar que tive conhecimento do sucedido”, escreveu o pintor Theodoro de Bona (1904-1990) em seu livro de memórias Curitiba Pequena Montparnasse.

Se Lange de Morretes andava mesmo depressivo e teria vislumbrado a própria morte – opiniões refutadas pela filha Bertha Lange de Morretes e pelo pesquisador Luis Afonso Salturi – ninguém poderá saber ao certo. Mas fato é que ele já havia determinado a seus amigos a maneira como queria passar o resto de seus dias: em pé, como um altivo pinheiro, mirando ao longe o enorme Marumbi.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE