Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Convivência

Vizinhança se isola com o crescimento da cidade

Estudo mostra que 52% dos paranaenses só veem seus vizinhos ocasionalmente, quando estão saindo de casa

  • Derek Kubaski, especial para a Gazeta do Povo
Tereza Honesko e Roberta Scalet são vizinhas há 72 anos |
Tereza Honesko e Roberta Scalet são vizinhas há 72 anos
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Há 72 anos, as vizinhas Tereza de Jesus Honesko e Roberta Scalet fazem visitas quase diárias uma à outra – um tipo de convivência que tem se tornado cada vez mais difícil de ocorrer devido ao crescimento das cidades. As amigas de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, estão enquadradas em um grupo que ainda representa a maioria no interior do Paraná, mas que tem perdido espaço na capital. Enquanto 54% da população interiorana têm o contato com a vizinhança como um hábito do dia a dia, esse total cai para 41% em Curitiba.

Os números fazem parte de um levantamento feito recentemente pela Paraná Pesquisas, a pedido da Gazeta do Povo. A enquete realizada em 80 municípios do estado, com 1.505 pessoas, mostra que mais de 80% dos paranaenses dizem conhecer seus vizinhos, no entanto, esse “conhecer” costuma estar restrito a encontros ocasionais em frente de casa. Ao todo, 52% dos entrevistados confirmam que só veem os vizinhos quando estão saindo de casa – veja mais detalhes do levantamento no quadro.

Em crescimento

Segundo o professor de História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) Charles Monteiro, os resultados da pesquisa demonstram a realidade de um processo que só tende a crescer, principalmente nas grandes cidades. “Nós temos, na contemporaneidade, um esvaziamento dos espaços públicos, a individualização do sujeito, a disputa por prestígio, a ostentação material do sucesso profissional. Todos, porém, são sinais externos e prejudicam uma identificação estreita entre as pessoas”, afirma.

Ele acredita que esse “distanciamento” entre vizinhos é resultado, em parte, de uma identidade cada vez mais fragmentada. “Algumas pessoas trocam uma solidariedade mais tradicional – como a territorial, no caso dos vizinhos – por uma solidariedade baseada em afinidades específicas e que se manifesta, por exemplo, em encontros de donos de cachorro ou de donos de carros”, diz. Monteiro alerta ainda que esse processo contribui para a diminuição da representatividade política das pessoas que moram próximas, pois não se desenvolve uma relação firme entre elas.

O especialista em Psicologia Comportamental pela Uni­­versidade Tuiuti do Paraná Márcio Roberto Régis afirma que, diante da dificuldade de mudar esse comportamento, vale a pena tentar começar a mudança em si mesmo. “Se a pessoa passar a cumprimentar seus vizinhos, mesmo que não tenha resposta de alguns, ela vai passar a ser vista, aos poucos, como uma pessoa bem educada, que está aberta ao diálogo. Não é tão rápido, mas isso ajuda inclusive a melhorar a qualidade de vida e a tornar menos desgastante a resolução de conflitos”, sustenta.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE