Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Vida Pública

Fechar
PUBLICIDADE

Lista

9 fatos horríveis descobertos pela Operação Carne Fraca

Utilização de cabeças de porco e de carne podre na fabricação de embutidos estão entre as primeiras barbaridades investigadas pela Polícia Federal

 |
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Ainda não se sabe o tamanho do problema.

Alguns frigoríficos investigados pela Operação Carne Fraca forneciam para várias marcas e a trajetória das carnes adulteradas precisa ser descoberta.

A Polícia Federal não divulgou marcas nem lotes específicos que teriam sofrido adulteração – detalhes assim devem ser passados em breve para as autoridades sanitárias, que vão definir como proceder. Há a possibilidade, por exemplo, de se fazer recall dos produtos adulterados.

As investigações devem descobrir detalhes do esquema – e coisas difíceis de engolir serão divulgadas nos próximos dias –, mas já existem fatos horríveis que vieram à tona.

*

Veja quais são as marcas implicadas na Operação Carne Fraca

*

1. Mortadela ruim reprocessada

O gerente de relações institucionais e governamentais da BRF (dona das marcas Sadia e Perdigão), Roney Nogueira dos Santos, teria mandado reprocessar cerca de 700 quilos de mortadela considerados ruins para consumo.

Por “reprocessar”, entenda recolocar a carne inapropriada na cadeia de produção e vender ao público.

2. Carne liberada sem fiscalização

Fiscais do Serviço de Inspeção de Produto de Origem Animal (Sipoa), do Ministério da Agricultura (MAPA), teriam assinado certificados para liberação de cargas para exportação sem qualquer procedimento prévio de fiscalização, em troca de produtos.

3. Carne com salmonela

Um dos casos mais graves descritos pelo delegado Maurício Moscardi Grillo, o responsável pelo caso, envolve sete contêineres de carnes contaminadas com salmonela, do Grupo BRF, que estavam a caminho da Europa, mas acabaram sendo barrados nos países de chegada.

4. Reaproveitamento de carnes podres, vencidas, doentes e mal estocadas

Citando os problemas da empresa Peccin, de Colombo (PR), o despacho cita conversas entre os proprietários da empresa sobre “diversas falcatruas perpetradas para não desperdiçar alimentos podres, vencidos, doentes e mal estocados”.

O frigorífico extrapolava os valores máximos permitidos para analito amido e nitrito/nitrato, além de usar aditivos não previstos pela legislação e não declarados nos rótulos dos produtos.

*

O que dizem as empresas investigadas pela Polícia Federal

*

5. Restos de carcaças de animais

A sigla para “carne mecanicamente separada” aparece várias vezes no documento da Polícia Federal.

Um diálogo entre Idair Antônio Piccin e Normélio Peccin Filho, transcrito no despacho, mostra os dois conversando sobre a fórmula para fazer mortadela – usando 70% de CMS e “pouca coisa de carne de boi e miúdo de frango”.

CMS, observa o documento, “significa carne mecanicamente separada que, na prática, são restos de carcaças de animais”.

As adulterações das carnes eram feitas à noite, quando não havia fiscalização.

Em uma gravação, a PF destaca a normalidade com que Idair conversa com um funcionário sobre “a total ausência de refrigeração de uma carreta de CMS que estava no pátio e sobre a mistura suspeita de carnes para compor um toucinho”.

6. Presunto mais ou menos*

Outra denúncia se refere a uso de presunto “mais ou menos” podre, mas que não tinha “cheiro de azedo, nada, nada, nada”.

7. Irregularidades em merenda escolar

Daniel Gouvêia Teixeira, fiscal do Ministério da Agricultura, apurou irregularidades no frigorífico Souza Ramos, que forneceu merendas escolares no Paraná.

A empresa teria processado salsicha contendo carne de frango quando deveria ser composta por carne de peru.

8. Carnes vencidas

O Frigorífico Larissa aparece nos despachos com várias acusações, as mais graves falam de venda de produtos vencidos com etiquetas de validade adulteradas e de carnes vencidas há mais de três meses usadas na produção de outros alimentos.

*

Saiba como escolher carne vermelha com segurança

*

9. Extorsão com o Madero

A extorsão sofrida pela rede de restaurantes Madero foi um dos fatos que mais repercutiram no noticiário sobre a Carne Fraca.

Os fiscais exigiam propina para não embaraçar o funcionamento da empresa e chegaram a pedir picanha, mignon e hambúrguer como pagamentos – eles carregavam os porta-malas dos carros com a carne.

Representantes do Madero fizeram a denúncia à PF.

*Atenção: O trecho original foi corrigido. Inicialmente, foi publicado que o uso de cabeça de porco é proibido por lei, mas existe legislação que permite a utilização dessa parte do animal para a confecção de embutidos.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais