PUBLICIDADE
Celso Nascimento

A nau dos incoerentes

Texto publicado na edição impressa de 01 de julho de 2012

O deputado Rubens Bueno (PPS), escolhido para ser o vice na chapa de Luciano Ducci, foi escalado para cumprir a missão que os marqueteiros da campanha de reeleição do prefeito consideram chave para levar ao naufrágio a candidatura de Gustavo Fruet, seu principal adversário. A ideia é explorar à exaustão o mote da coerência, qualidade que, segundo eles, Fruet perdeu ao se aliar ao PT, partido que combateu quando deputado federal do PSDB.

De fato, o argumento é muito bom – e seria melhor ainda se pudesse ser aplicado exclusivamente a Fruet. Entretanto, é aplicável a praticamente todos os políticos brasileiros da atualidade. O que inclui o autor da seguinte frase: “Me sinto realizado por essa união e pela coerência que sempre marcou a nossa caminhada na vida pública. Jamais vamos violentar a nossa consciência para vencer uma eleição a qualquer custo. A nossa alma não está à venda e não compramos a alma de ninguém para vencer uma eleição.”

A frase é do governador Beto Richa e foi pronunciada durante ato realizado na última quinta-feira quando do anúncio oficial de Rubens Bueno como vice de Ducci num salão do hotel Bourbon em que se destacava a faixa com a palavra coerência em letras garrafais.

Trata-se de uma afirmação que a psicologia social poderia enquadrar no conceito de “dissonância cognitiva”. Em tradução livre, essa teoria é descrita como a “capacidade do ser humano de contrariar a lógica, negar evidências, criar falsas memórias, distorcer percepções, ignorar fatos e até mesmo desencadear uma perda de contato com a realidade”. A contradição entre o que se fala e o que se faz também é sintoma do mal da dissonância cognitiva.

Agora, combine tal conceito com os inúmeros sinônimos da palavra ‘coerência’, tais como harmonia, nexo, concordância, afinidade... Entre os sinônimos de coerência não cabe a palavra contradição.

Fica?

Examinado o prontuário político do governador, constata-se que sua coerência partidária variou conforme as circunstâncias: foi suplente de vereador de Curitiba pelo PSDB em 1992; deputado estadual duas vezes, a primeira pelo PSDB (1994) e a segunda pelo PTB (1998); depois, filiado ao PFL, foi vice de Cassio Taniguchi em 2000. Rompeu com Cassio em meio a acusações de improbidade, voltou para o PSDB e foi eleito duas vezes prefeito (2004 e 2008). Antes da segunda eleição, assinou em cartório o compromisso de ficar na prefeitura pelos quatro anos seguintes. Incoerentemente, 14 meses depois abandonou o cargo para concorrer ao governo em 2010.

Ganhou a eleição de governador fazendo oposição ao antecessor Roberto Requião, do PMDB, fato que não o impediu de firmar acordos com uma ala do mesmo PMDB garantido-lhe uma vaga no secretariado. No caso, para o deputado Luiz Cláudio Romanelli, até então líder de Requião na Assembleia. O acordo com o DEM (o seu ex-PFL) também teve um preço: a nomeação do antigo desafeto Cassio Taniguchi, recém-saído da equipe do cassado governador do Distrito Federal, o demo José Roberto Arruda.

As contradições de Richa não servem, lógico, para tornar justificável a incoerência de Gustavo Fruet, o alvo da campanha da “coerência” da qual foi encarregado Rubens Bueno. Não justificam, mas explicam um bocado: Fruet era do PSDB, partido de Richa e candidato natural da sigla à prefeitura em 2012, mas o governador fez o necessário para afastá-lo da legenda com o objetivo de apoiar Luciano Ducci, do PSB, partido aliado do PT no plano federal. Outra incoerência.

Os exemplos dessa espécie na política nacional já não surpreendem tanto – salvo pela fotografia do abraço de Lula com Maluf, que escandalizou o Brasil dia desses. Lula buscou o apoio do PP malufista para o candidato petista à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. No Paraná, Richa sepultou a candidatura tucana em Londrina para apoiar o candidato Marcelo Belinati, do PP malufista.

Enfim, neste país de partidos sem programas ou ideologias, em que o proveito político e pessoal está acima de qualquer outro princípio, acaba prevalecendo o vale-tudo. E, então, o discurso da incoerência é como remédio barato – genérico.

Memória

Em outubro de 2011, o deputado Rubens Bueno condenava a incoerência de Beto Richa o que, sem dúvida, lhe dá autoridade para desenvolver o tema na campanha. Dizia ele: “Passamos o tempo criticando o governo do PMDB, ganhamos a eleição em cima dessas críticas e depois sem mais e nem menos trouxeram eles para dentro do governo. Essa é uma forma de fazer política que não aceitamos, não tem ideologia nenhuma e não contribui em nada. A presença do PMDB no governo nivela a discussão por baixo”.

Em março de 2011, quando Fruet já cogitava sair do PSDB, Bueno queria atraí-lo para o PPS dando-lhe a legenda para ser candidato a prefeito. “Se ele vier terá todas as garantias que precisa. Nós não oferecemos meio apoio a ninguém. E ninguém vai fazer molecagem para não deixá-lo ser candidato”, disse Rubens Bueno.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO