Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

manobra de renan

Após delação da Odebrecht, projeto da Lei do Abuso de Autoridade “reaparece” no Senado

Presidente da Casa até fez força para votação ser nesta terça-feira (13), mas acabou deixando-a para a quarta-feira (14)

  • Brasília
  • Catarina Scortecci, correspondente
O Senado Federal | Edilson Rodrigues/Agência Senado
O Senado Federal Edilson Rodrigues/Agência Senado
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Menos de cinco dias depois do vazamento da delação feita por um alto funcionário da Odebrecht, e que comprometeu a cúpula do Planalto e do Congresso Nacional no âmbito da Operação Lava Jato, o projeto da Lei do Abuso de Autoridade (PL 280/2016) pode voltar para a pauta do plenário do Senado nesta quarta-feira (14). Protocolada em julho, a proposta define os crimes de abuso de autoridade cometidos por agentes públicos e tem sido rechaçada pelos investigadores da Lava Jato, que a interpretam como uma ameaça.

Desde o imbróglio envolvendo o afastamento liminar de Renan Calheiros (PMDB-AL) do comando do Senado, determinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio e depois derrubado pela Corte, o PL foi informalmente descartado pelos parlamentares.

Preocupados com o agravamento da guerra entre Legislativo e Judiciário, aliados do Planalto convenceram Renan Calheiros, autor do PL, a recuar. Líderes relataram que o próprio senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo Temer no Congresso Nacional, teria garantido que o PL não seria mais votado neste ano. Nesta terça-feira (13), contudo, o assunto voltou aos corredores da Casa e, já no início da noite, também foi tema de discursos veementes de senadores favoráveis à proposta.

Inicialmente, o PL entraria já na pauta desta terça-feira (13), mas, em função da quantidade de matérias na ordem do dia, o projeto seguiu para a agenda desta quarta-feira (14).

Renan Calheiros, contudo, ainda não sabe se tem votos para aprovar sua proposta. Antes do PL seguir à votação, o plenário é obrigado a deliberar sobre requerimentos que pedem a retirada da urgência do texto, o que, na prática, se aprovados, jogariam o assunto para 2017.

Até a semana passada, a maioria dos senadores defendia a rejeição da matéria, alegando que a mudança na legislação era inoportuna, na linha da manifestação do juiz federal Sergio Moro, à frente dos processos da Lava Jato. O senador Roberto Requião (PMDB-PR), relator do PL, além da bancada do PT, estão entre aqueles que, abertamente, defendem o texto.

Mas, a expectativa do presidente do Senado é que o último vazamento da Odebrecht tenha aumentado o número de apoiadores do PL. “Estão acontecendo vazamentos seletivos. Isso só serve para alimentar o noticiário e permitir que se faça um pré-julgamento”, criticou Renan Calheiros. No substitutivo apresentado pelo relator, Requião, há artigos aparentemente inspirados em ações da Lava Jato. Mas, tanto Renan quanto Requião negam a intenção de tolher o trabalho dos magistrados e membros do Ministério Público.

Apesar da alegação, em entrevista à imprensa nesta terça-feira (13), Renan Calheiros voltou a fazer duras críticas contra a Procuradoria Geral da República (PGR). “O Ministério Público infelizmente passou a fazer política, só política. Quando você faz só política, você perde a condição de ser o fiscal da lei”, atacou o peemedebista.

Discursos de apoio

Já no início da noite desta terça-feira (13), o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) foi à tribuna e fez um longo discurso a favor do projeto da Lei do Abuso de Autoridade. Para um plenário cheio e em silêncio incomum, Jader Barbalho pediu que a Casa reagisse: “Não é o momento de se entregar. Depois que o Congresso Nacional estiver avacalhado, e a classe política estiver estigmatizada, não vai mais adiantar”.

Jader Barbalho também criticou a imprensa – que estaria “acusando o Congresso Nacional de querer atrapalhar a Lava Jato” – e as autoridades envolvidas na operação, em Curitiba. “Se não fosse a serenidade de Teori Zavascki [magistrado à frente dos processos da Lava Jato no STF], essa gente teria avançado ainda mais nas arbitrariedades”, atacou ele.

Com os trabalhos já interrompidos em função do discurso do peemedebista, o líder da bancada do PT, senador Humberto Costa (PE), também subiu à tribuna, endossando palavras do colega. Em seu discurso, Costa lamentou que supostos abusos já cometidos no âmbito da Lava Jato, como a condução coercitiva do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, exemplificou ele, tenham sido comemorados pelos adversários. Só agora, continuou o líder petista, quando a Lava Jato avança para outros partidos políticos, a classe política estaria reconhecendo e admitindo os abusos.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE