Celso Nascimento

Fechar
PUBLICIDADE
Celso Nascimento

Celso Nascimento + VER MAIS COLUNISTAS

Celso Nascimento

Fruet rompe o silêncio e decide atacar

 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

O candidato do PDT à prefeitura de Curitiba, Gustavo Fruet, decidiu romper o mutismo diante das críticas dos adversários quanto à estranha aliança que firmou com o PT – logo o partido que dava sustentação ao governo quando ele, deputado federal ainda pelo PSDB, tanto criticou ao participar das CPIs que revelaram o esquema do mensalão. Em entrevista ao Jornal do Estado nesse fim de semana, Fruet, ao invés de mais se defender, mais partiu para o ataque.

"Quem não digeriu [a aliança com o PT] foram os políticos tradicionais. São coerentes, sempre estão com o governo, todos os governos", afirmou Fruet, complementando: "O que o prefeito [Luciano Ducci] fez quando houve a crise na Câmara de Vereadores? O Ratinho já era deputado quando houve a segunda etapa no julgamento. Ele participou da CPI? Ele foi no Conselho de Ética, no plenário, para tomar posição?"

Embora reconheça que muitos de seus eleitores tradicionais – classe média e escolarizada em sua maioria – não entenderam a aliança com o PT e reagem. "Para esse eleitor que rejeita é evidente que eu preciso explicar. Por que aconteceu isso? Houve um veto para que eu não assumisse a presidência do PSDB e esse veto foi feito pelo Derosso, avalisado pelo Derosso. Na época eu falei do silêncio constrangedor do presidente estadual do partido, que é o governador. Eu tinha duas opções: ou parava, ou rompia o isolamento e saía da encruzilhada. O pior cenário da política é ficar omisso."

Gustavo diz não entender a reação dos seus adversários: "Ela [a aliança] não foi bem digerida pelo Ratinho Jr. e pelo Luciano. O Ratinho pediu para o pai dele falar com o presidente Lula para evitar a aliança. E o Luciano foi pedir para o presidente do partido dele (PSB), governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que teve o apoio do governo para indicar a mãe dele para ministra do TCU, que agora tomou uma decisão que foi comemorada pelo Marcos Valério e mais uma vez o PSB não se manifesta."

Para Gustavo, a coligação com o PT é programática e não ideológica. "Eu acho que quem poderia rejeitar a aliança é o próprio PT pelos embates que ocorreram no Congresso. Mas em nenhum momento houve um embate de desqualificação pessoal. Não vou alimentar, estou mantendo toda a serenidade. Eu não sabia que eu tinha tamanha paciência para não me perder em um debate que é menor e é mera provocação."

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

últimas colunas de Celso Nascimento

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais