Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

mensalão

Costa Neto recebeu dinheiro do PT para gastos de campanha

Defesa do deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP), que era presidente do PL quando o mensalão veio à tona, negou a existência de um esquema para comprar votos

  • Gazeta do Povo, com Agência Brasil
  • Atualizado em às
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Supremo Tribunal Federal (STF) já ouviu metade das defesas dos 38 réus do mensalão e começou, nesta sexta-feira (10), a etapa final da exposição dos advogados, prevista para terminar na próxima quarta-feira (15). Na próxima segunda-feira (13), a sessão será retomada a partir das 14h40. Na ocasião, o Supremo segue ouvindo a defesa de outros réus do mensalão.

Relembre o mensalão e entenda como funciona o julgamento

Saiba quais são as possíveis consequências políticas do julgamento

Relembre os paranaenses envolvidos e os que investigaram o esquema

Nesta sexta-feira, foram defendidos os dois últimos réus ligados ao PP: Breno Fischberg, sócio-proprietário da corretora Bônus-Banval; e Carlos Alberto Quaglia, dono da empresa Natimar. Ambos são acusados de usar as empresas para lavar dinheiro ilícito do mensalão para o PP. Fischberg, através de seu advogado, negou vínculo com Marcos Valério. Leia mais. Já o defensor de Quaglia, disse que seu cliente não sabia que recursos eram usados para lavar dinheiro. Ele pediu ainda a anulação do processo do mensalão. Veja a matéria completa.

O outro sócio da corretora Bônus-Banval, Enivaldo Quadrado, foi defendido na quinta-feira (9) pelo advogado Antonio Pitombo. Os três empresários respondem por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

O julgamento prosseguiu com as defesas do núcleo do PL (atual PR), iniciada com as alegações a favor do deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP). Ele era presidente do partido quando o mensalão veio à tona e foi reeleito deputado, em 2006 e em 2010. Hoje, Costa Neto é secretário-geral da legenda. Segundo o Ministério Público, ele recebeu dinheiro ilegal do publicitário Marcos Valério para apoiar votações importantes do governo, além de montar um esquema para dissimular o recebimento das verbas. O parlamentar responde pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O advogado Marcelo Luiz Ávila de Bessa admitiu durante a sustentação oral em defesa de Costa Neto que o parlamentar recebeu dinheiro do PT para quitar despesas da campanha eleitoral de 2002. Leia o texto completo. O deputado responde pelos crimes formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. No entanto, a defesa do deputado negou que tenha havido compra de votos, e sim um acordo eleitoral.

Tesoureiro

As últimas defesas do dia foram dos irmãos Jacinto e Antônio Lamas. Jacinto era tesoureiro do PL e, segundo a acusação, recebeu valores ilícitos em nome de Valdemar Costa Neto, além de participar do contrato de fachada com a empresa Garanhuns para dissimular os repasses ao partido. Ele responde pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Antônio Lamas assessorava a liderança do PL na Câmara dos Deputados e é acusado de participar do esquema de repasse ilegal de dinheiro ao partido, realizando um saque a favor do presidente da legenda. Nas alegações finais, o Ministério Público Federal pediu a absolvição de Lamas dos crimes de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro por falta de provas. Segundo o advogado Délio Fortes Lins e Silva, que defendeu Antonio Lamas, o MPF errou ao denunciar o ex-assessor do PL. Saiba mais.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE