Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

investigação da PF

Deputado estadual teria negócios com rede de empresas ligada ao chefe da Carne Fraca

Embora seja citado nas investigações da PF sobre o esquema, o deputado Tião Medeiros (PTB) não é acusado de participação no esquema

Tião Medeiros, do PTB | Albari Rosa/Gazeta do Povo/Arquivo
Tião Medeiros, do PTB Albari Rosa/Gazeta do Povo/Arquivo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Investigações da Polícia Federal que resultaram na Operação Carne Fraca, deflagrada na última sexta-feira (17), revelam que o deputado estadual paranaense Tião Medeiros (PTB) mantém ligações com uma rede de empresas que seria sustentada por Daniel Gonçalves Filho, ex-superintendente do Ministério da Agricultura (Mapa) no Paraná, e apontado como chefe do esquema de propina. De acordo com a PF, essa “sucessiva interposição de empresas” servia para intermediar pagamentos que se destinavam à mesma pessoa: no caso, o próprio Daniel Gonçalves Filho, líder da organização criminosa.

Embora seja citado nas investigações da PF, o deputado paranaense não é acusado de participação no esquema.

Brasil pode perder mais de R$ 10 bilhões por ano em escândalo dos frigoríficos

O escritório curitibano de advocacia Medeiros & Emerick Advogados Associados, que tem o parlamentar como um dos sócios, fez repasses que totalizam cerca de R$ 3,8 milhões para a Portal Operações Portuárias/Fênix Fertilizantes. A empresa, segundo o fiscal federal agropecuário Daniel Gouvêa Teixeira, que denunciou a corrupção no Mapa à PF, pertenceria, na verdade, a Daniel Gonçalves Filho.

Conforme dados da Receita Federal, o quadro societário da Portal Operações Portuárias/Fênix Fertilizantes é formado atualmente por Murilo Medeiros − irmão do deputado estadual Tião Medeiros – e pela Centerlog Serviços e Participações. Esta última empresa tem como um dos proprietários Adriano Emerick, que também é sócio do parlamentar no escritório Medeiros & Emerick Advogados Associados.

Trecho da representação entregue pela PF à Justiça Federal aponta que “uma parte significativa dos créditos (R$ 3.785.060,54), nas contas bancárias da empresa Portal Operações Portuárias, teve por origem a pessoa jurídica Medeiros & Emerick Advogados Associados, demandando a análise das relações comerciais/negociais entre esses dois entes jurídicos”. A “vultosa quantia” foi paga em 137 operações.

Tanto Tião Medeiros quanto Adriano Emerick já foram sócios da Portal Operações Portuárias/Fênix Fertilizantes.

Ministro determina intervenção no PR e vai ‘inspecionar’ frigorífico no estado

Mais ligações

“Pagamentos suspeitos” entre 2012 e 2014, segundo a PF, também ocorreram da Fortesolo Serviços Integrados para a Dalchem Gestão Empresarial, que seria uma empresa “fictícia” de Curitiba ligada a Daniel Gonçalves Filho e está no nome da mulher e do filho dele. A Fortesolo tem como proprietários Almir e Valdécio Bombonatto. Este último também já pertenceu ao quadro societário da Portal Operações Portuárias/Fênix Fertilizantes.

Além disso, segundo registro da Receita Federal, a Portal Operações Portuárias/Fênix Fertilizantes e a Fortesolo Serviços Integrados ficam no mesmo endereço em Paranaguá e possuem o mesmo número de telefone. “Essa empresa merece especial atenção”, diz a PF em relação à Fortesolo, que responde a diversos autos de infração no Mapa.

Outro ex-sócio da Portal Operações Portuárias/Fênix Fertilizantes é Perito Garcia. Além de também já ter figurado no quadro societário da Dalchem, ele “mantém contato muito próximo com Daniel Gonçalves Filho, referindo-se a ele como ‘compadre’, ‘irmão’, ‘padrinho’, marcando com ele reuniões em locais seguros e privativos e tratando-o como sócio”.

Alvos da Operação Carne Fraca foram indicados por deputados federais do Paraná

Tião Medeiros nega irregularidade em escritório de advocacia do qual é sócio

Por meio de nota, o deputado estadual Tião Medeiros (PTB) disse que, desde 2012, quando passou a exercer funções públicas, deixou de atuar na advocacia. Ele informou que permanece como sócio do Medeiros & Emerick Advogados Associados, mas ressaltou que o escritório não foi alvo da operação da Polícia Federal. “A busca de documentos foi restrita a apenas um dos clientes, cujas atividades não estão sujeitas a registro ou fiscalização do Ministério da Agricultura”, afirma o texto.

O parlamentar declarou ainda ter convicção de que as investigações vão demonstrar “absoluta ausência de qualquer irregularidade” nas atividades do escritório e confiança “na solidez das instituições essenciais à administração da Justiça”, como a PF.

O escritório Medeiros & Emerick também disse não ter sido alvo da ação da Polícia Federal, que teria ocorrido especificamente em relação a um cliente. A informação é de que não haverá manifestação sobre o caso e que tudo será esclarecido em juízo.

Na Fortesolo – cujo telefone é o mesmo da Fênix Fertilizantes −, a funcionário do setor administrativo que atendeu ao telefonema da reportagem afirmou que o caso está sob responsabilidade do jurídico da empresa e, portanto, não havia nada a declarar.

Valdécio Bombonatto não foi encontrado no Terminal da Ponta do Félix − onde é o CEO −, em Antonina, nem no telefone repassado à reportagem do local onde ele estaria em Curitiba na tarde desta segunda-feira (20).

A pessoa que atendeu no telefone da Dalchen Gestão Empresarial que consta no site da Receita Federal disse que, na verdade, se tratava do escritório de contabilidade da empresa e que não possuía outro número para informar à reportagem.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE