Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

Gestão pública

Dos mil cargos que serão extintos, 400 já estão vagos

Governo do Paraná volta atrás e divulga em que órgãos pretende extinguir funções comissionadas. Maiores cortes estão nas pastas da Educação, Saúde e Administração

  • Euclides Lucas Garcia
Ademar Traiano (PSDB), líder do governo na Assembleia |
Ademar Traiano (PSDB), líder do governo na Assembleia
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Dos mil cargos que serão extintos, 400 já estão vagos

Quatro dias depois de se negar a dar detalhes sobre o assunto, o governo do Paraná divulgou ontem a lotação e a função dos mil cargos comissionados que serão extintos na administração estadual, conforme prevê projeto de lei em tramitação na Assembleia Legislativa. Os maiores cortes vão ocorrer nas secretarias da Saúde (196), Educação (159) e Administração (90). Na prática, porém, a medida deverá resultar em 600 demissões. Isso porque cerca de 400 cargos a serem extintos não estão ocupados atualmente. A expectativa do Palácio Iguaçu é economizar R$ 48 milhões anuais com os cortes.

Anunciada pelo governador Beto Richa (PSDB) em 27 de setembro, a medida causou polêmica ao ser apresentada, pois o texto da proposta encaminhado ao Legislativo não especificava exatamente quais cargos em comissão serão extintos. Desde então, a bancada de oposição vinha criticando o fato de ter de votar o projeto “no escuro”. Os oposicionistas chegaram a protocolar um pedido de informações para tentar apurar quantas das vagas comissionadas que serão cortadas estão ocupadas, mas o pedido foi rejeitado pelo plenário.

Ontem, no entanto, o líder do governo na Casa, Ademar Traiano (PSDB), causou surpresa ao divulgar as informações aos deputados e à imprensa – na semana passada, ele afirmou que não havia necessidade de o governo especificar esses dados.

Setores

No total, 31 setores do Executivo perderão cargos em comissão, desde o gabinete do governador até órgãos como o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), passando por diversas secretarias (veja no quadro). De acordo com o projeto, haverá redução de 21,5% no total de comissionados – de 4.657 para 3.657.

A proposta prevê ainda a criação das funções de gestão pública em substituição às mil vagas a serem extintas. Esses novos postos serão ocupados apenas por servidores efetivos do Executivo, que, ao serem nomeados para funções de direção, chefia e assessoramento, receberão uma gratificação salarial. No total, serão 24 tipos de gratificações, com valores entre R$ 933 e R$ 7.725.

“Além de reduzir despesas, o corte de cargos diminui a possibilidade de nomeações de caráter político e valoriza os funcionários de carreira”, disse Traiano. “Como é possível questionar a extinção de cargos? Lamento que a oposição advogue pelo quanto pior, melhor.”

Questionado se o governo também pretendia divulgar um relatório mais detalhado do impacto financeiro da medida, para comprovar a economia prometida de R$ 48 milhões ao ano, o tucano disse que a Assembleia precisa confiar nas informações do Palácio Iguaçu. “A verdade é a que vem no bojo do projeto. Não podemos duvidar de uma informação dessa natureza, porque ela merece fé pública.”

Tramitando em regime de urgência, o projeto deve ser votado no máximo até amanhã no plenário da Assembleia.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

  1.  | Carlos Moraes / Ag. O Dia/Carlos Moraes / Ag. O Dia

    Debate Constitucional

    Flamengo, galinha e chiclete: por que o STF perde tempo com casos irrelevantes?

  2. Na nova proposta para normas trabalhistas , será necessário pelo menos duas semanas corridas de férias. | Henry Milleo/Gazeta

    Direito do Trabalho

    Entenda as mudanças sobre férias na reforma trabalhista

  3. Claudia Wallin mostra o avesso da política brasileira . | Albari Rosa/Gazeta do Povo

    Moralidade pública

    A falta de mordomias (na Suécia!) que choca os brasileiros

PUBLICIDADE