Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Vida Pública

Fechar
PUBLICIDADE

críticas

Dúvidas sobre apuração técnica da PF colocam Operação Carne Fraca na linha de ataques

Operação deflagrada na sexta-feira (17) foi alvo de críticas do ministro da Agricultura, empresas e representantes do setor

  • Atualizado em às
Maurício Moscardi Grillo: ataques por todos os lados. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Maurício Moscardi Grillo: ataques por todos os lados. Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Responsável pela condução da Operação Carne Fraca, deflagrada na última sexta-feira (17), o delegado da Polícia Federal (PF) Maurício Moscardi Grillo virou alvo de críticas nos últimos dias. Os ataques partem do ministro da Agricultura Blairo Maggi, de representantes do setor e até de colegas da corporação e atingem o mesmo ponto: as declarações de Grilo. Durante a coletiva de imprensa concedida na sexta-feira para explicar as investigações da PF, o delegado usou um tom alarmante e algumas das declarações dadas por ele não coincidem com dados técnicos e informações que estão no próprio processo.

9 fatos horríveis descobertos pela Operação Carne Fraca

Nesta segunda-feira (20), as críticas vieram da própria corporação. A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) chamou o caso de “estardalhaço midiático dos delegados federais”. “Maurício Moscardi, por exemplo, não tem a menor condição de ser apresentado como coordenador de qualquer operação. Seu tempo na PF por si só já justifica sua inexperiência para tratar de assuntos delicados como o eventual abalo econômico advindo de uma grande operação como a Carne Fraca”, disse o presidente da federação, Luís Boudens.

CARNE FRACA: Confira tudo que foi publicado sobre a operação

Em coletiva de imprensa concedida neste domingo (19), o ministro Blairo Maggi também partiu para o ataque. Disse que a PF demonstrou falta de conhecimento sobre as regras que regem o setor ao colocar sob suspeita algumas práticas, como uso de ácido ascórbico (vitamina C) no processamento de carnes e de cabeça de porco na confecção de embutidos. O episódio do papelão na carne também foi rebatido por Maggi.

Durante coletiva na sexta-feira, Grillo afirmou que essa informação estaria no áudio de uma conversa telefônica interceptada durante as investigações. Mas os áudios da própria PF indicam que o funcionários flagrado no grampo estava falando em embalar o produto em papelão. O ministro reforçou que houve erro na interpretação da conversa pela Polícia Federal e classificou de “idiotice” imaginar que papelão fosse misturado à carne pelas empresas. “É uma idiotice, uma insanidade, para dizer a verdade”, disse.

O que alegam as empresas investigadas na operação Carne Fraca

Integrantes do setor produtor também saíram em defesa da classe e criticaram “exageros” na atuação da PF. Em entrevista à Folha de S. Paulo, o ex-ministro da Agricultura e presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, o discurso do delegado Maurício Moscardi Grillo, responsável pela investigação, na coletiva de imprensa na sexta-feira foi “irresponsável”.

Falta de laudos técnicos também fragiliza investigações

A falta de laudos técnicos da PF em relação ao produto oferecido pelas empresas também é alvo de críticas. Em dois anos de investigação, a PF realizou laudos em 40 amostras de carne vendidas em um supermercado de Curitiba, mas todas as amostras eram da mesma empresa, a Peccin Industrial Ltda. Todas as demais suspeitas são baseadas em interceptações telefônicas e depoimentos de funcionários de algumas das empresas e de um fiscal que denunciou o esquema.

Os policiais também não consultaram técnicos que poderiam esclarecer alguns fatos, como o caso da salmonela. A Polícia Federal informou que o grupo BRF teria enviado carne contaminada com a bactéria à Europa. Em nota, a empresa afirmou que existem cerca de 2,6 mil tipos de Salmonella - bactéria comum em produtos alimentícios de origem animal ou vegetal – e que a maioria deles é facilmente eliminados com o cozimento adequado dos alimentos.

“O tipo de Salmonella encontrado em alguns lotes desses quatro contêineres é o Salmonella Saint Paul, que é tolerado pela legislação europeia para carnes in natura e, portanto, não justificaria a proibição de entrada na Itália”, alegou a empresa.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais