Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

2016

Fechar
PUBLICIDADE

eleições 2016

Com número histórico, Curitiba é a 2ª capital que mais elegeu mulheres para o legislativo

Em 2017, oito vereadoras assumem cadeiras na Câmara Municipal, três a mais do que a legislatura anterior

Plenário da Câmara de Vereadores da capital. | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Plenário da Câmara de Vereadores da capital. Henry Milleo/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Em 2016, Curitiba foi a segunda capital do país que mais elegeu mulheres para o legislativo, saindo de cinco vereadoras eleitas em 2012 para oito, que passam ocupar as cadeiras a partir do ano que vem - um número histórico para a cidade. Em 2017, 21,1% da Câmara de Vereadores da capital será formada por mulheres - número que faz com que Curitiba fique atrás apenas de Natal (RN), que elegeu 27,6% de vereadoras. O número de mulheres nas câmaras legislativas cresceu nas dez principais capitais do país - das 422 cadeiras, as mulheres passarão a ocupar 63 no ano que vem - 13 lugares a mais do que no cenário atual.

Veja infográfico com os números da eleição deste ano em relação às mulheres candidatas.

Apesar do aumento, a mulher mais votada nestas eleições aparece em 13º lugar na lista dos mais votados. Fabiane Rosa (PSDC), recebeu 7.188 votos - 37% menos do que recebeu Serginho do Posto (PSDB), o mais votado entre os homens. Para a doutoranda em ciência política da UFPR, Karolina Roeder, o desgaste da classe política fez com que os candidatos “abandonassem” bandeiras partidárias, o que pode ter respingado também nas candidaturas femininas na capital. “As candidaturas mais personalidades e as agendas novas podem ter seduzido o eleitor, que está rejeitando os políticos profissionais”, afirmou.

É o caso de duas das mulheres eleitas - Tanto Fabiane Rosa quanto Kátia dos Animais de Rua (SD) tem como bandeira a defesa dos animais. A médica legista Dra Maria Letícia Fagundes (PV) também teve o combate da violência contra as mulheres como bandeira de campanha.

A socióloga do Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam), Adriana Vale Mota, acredita que a crise política pode ter colaborado de fato para uma eleição de mulheres. “O eleitor busca a novidade e as mulheres podem ser essas novas representantes que a sociedade tanto busca”, disse. O aumento, porém, ainda é muito baixo, na visão da socióloga. “O aumento é muito baixo, mas pode ser comemorado. O desejo é que exista um nível de representação mais compatível com a expressão da mulher em outras áreas de atuação”, comentou.

Apoio dos partidos

O número de mulheres eleitas ainda fica bastante abaixo do total de candidatas que, por conta da atual lei de cotas, sempre fica bastante próxima dos 30% de candidaturas femininas exigidas por lei. Em Curitiba, 349 mulheres se candidataram para uma vaga na Câmara, o que representa 31,3% do total. Adriana Mota aponta que a lei é antiga, mas passou a ser cumprida integralmente em 2014. “A lei não era nem cumprida até as últimas eleições. Ela não é o suficiente, mas é necessária. Com mais mulheres na política, conseguimos refletir a importância dessa representatividade e o que podemos fazer para melhora-la”, afirma. Para a socióloga, o ideal é que fosse reservadas vagas no parlamento e não de candidaturas.

Para Karolina Roeder, falta apoio dos partidos para que mais mulheres sejam eleitas - principalmente, apoio financeiro. “Deve haver uma sustentação financeira do partido. É o papel do partido estruturar e financiar campanhas, dando condições de que as mulheres disputem de fato uma eleição”, opinou. A cientista política ainda chamou a atenção para o número de candidaturas “laranjas” de mulheres, em que os partidos escolhem nomes apenas para preencher as cotas exigidas pela lei. “É só observarmos o número de votações zeradas - a maioria é de mulheres. Neste ano, passou de 20 candidatas sem nenhum voto”, disse. Ainda de acordo com Karolina, os partidos precisam dar condições da mulher participar de todo o processo político-partidário, não apenas nas eleições.

Número de prefeitas eleitas cai em todo o país

Apesar do crescimento do número de mulheres nas câmaras legislativas das principais capitais do país, a quantidade de prefeitas eleitas do Brasil caiu em 2016. As eleições foram definidas em 5.509 cidades do país e as mulheres administrarão apenas 11,6% delas – são 639 no total. Nas eleições de 2012, 663 mulheres foram escolhidas para administrar seus municípios.

No Paraná, cinco municípios tiveram eleições apenas com candidatas mulheres, mas o número de prefeitas eleitas caiu de 39 em 2012 para 29 nas eleições deste ano. Com 7,4% de mulheres ocupando os cargos máximos em executivos municipais, o Paraná fica abaixo da média nacional.

A lei de cotas que exige pelo menos 30% de mulheres candidatas só vale para as eleições proporcionais – ou seja, nos cargos do Legislativo. O número de candidaturas de mulheres a prefeituras foi de 12,9% dos pleiteantes no Brasil e 9,8% no Paraná.

“O contexto de crise política acabou gerando um rescaldo mais conservador, que tende a apagar as mulheres”, comenta a socióloga do Instituto Brasileiro de Administração Municipal (Ibam), Adriana Vale Mota. Ela destaca ainda o número de mulheres como candidatas a vice-prefeitas – foram 17,63% no país e 15,4% no Paraná. Para a socióloga, o número responde a uma pressão interna dentro das siglas. “Isso mostra que as mulheres estão se fortalecendo dentro dos partidos e a própria sociedade tem incentivado”, afirma. Ainda de acordo com Adriana, é importante que os eleitores passem a qualificar melhor a função de vice. “É preciso dar uma expressão política ao cargo, que é bastante importante”, conclui.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais