Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

governo do paraná

Derrotado em Maringá, clã Barros não abre mão de candidatura de Cida em 2018

Segundo ministro da Saúde, Ricardo Barros, não faria sentido Richa apoiar uma outra chapa e deixar a atual vice na oposição na briga pelo Palácio Iguaçu

  • Euclides Lucas Garcia
 | Paulo Matias/Gazeta do Povo
Paulo Matias/Gazeta do Povo
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

Derrotado no próprio reduto eleitoral e vendo outros nomes já se colocarem na disputa pelo Palácio Iguaçu, o ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), não recua um milímetro no plano traçado de eleger Cida Borghetti (PP) governadora. Diante do cenário mais provável de ela assumir o Executivo estadual por nove meses em 2018 quando Beto Richa (PSDB) renunciar para disputar o Senado, Ricardo é taxativo: “não me parece fazer sentido o governo montar uma chapa com outros aliados e deixar a governadora em exercício na oposição”.

Neste domingo (30), Silvio Barros, irmão de Ricardo, foi superado por Ulisses Maia (PDT) na disputa pela prefeitura de Maringá. A derrota representa a interrupção de um ciclo de 12 anos consecutivos do grupo Barros no comando da terceira maior cidade do estado. Ricardo, porém, minimiza os possíveis estragos e atribui o resultado ao sentimento de mudança que tomou conta do país.

“O Silvio tem aprovação de 60% dos maringaenses, mas as pessoas queriam mudar. Reconhecemos e aceitamos a vontade da população em tentar uma coisa nova. Mas não se discute a nossa contribuição para a cidade. Todos reconhecem que Maringá está muito bem e será entregue ao Ulisses com o melhor equilíbrio fiscal do estado”, afirma.

2018

Diante da vitória de um pedetista em Maringá e do insucesso de Ratinho Jr. (PSD) em fazer do aliado Ney Leprevost (PSD) prefeito de Curitiba, o círculo mais próximo de Richa aposta todas as fichas em emplacar uma chapa com o ex-senador Osmar Dias (PDT) para o governo – e o tucano na briga por uma das duas cadeiras ao Senado em 2018. Tratada como imbatível pelos correligionários do governador, essa composição escantearia, de uma única vez, Cida e Ratinho de uma candidatura ao Executivo estadual pela base aliada.

Ricardo, no entanto, dá de ombros para essa estratégia. Segundo ele, os amigos próximos de Richa estão tentando levar para a disputa ao governo todos os adversários que possam ameaçar a eleição do tucano para o Senado daqui a dois anos. Para o ministro da Saúde, o caminho natural fará com que, uma vez Cida assumindo o cargo de governadora, os partidos que formam a atual aliança em torno do Palácio Iguaçu abracem a candidatura dela à reeleição. “Estão tentando limpar o caminho dele [Richa para o Senado], mas não faz sentido a Cida na oposição [em 2018]”, argumenta.

Contrariando algumas análises de que a derrota em Maringá enfraqueceu o poder do seu grupo político, Ricardo afirma que o PP conquistou duas prefeituras importantes, em Londrina e Toledo, e ainda esteve ao lado de Rafael Greca (PMN) em Curitiba, por meio do apoio da deputada estadual Maria Victoria (PP) no segundo turno. “Enquanto o Ratinho se desgastou com ele [Richa], nós nos aproximamos e elegemos vários prefeitos aliados. Para mim, a tendência continua sendo essa até 2018.”

De acordo com o ministro, uma chapa interessante seria Cida para governadora, o PSDB na vice, Richa em uma das vagas ao Senado e Osmar e Ratinho compondo esse cenário.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

  1. Na nova proposta para normas trabalhistas , será necessário pelo menos duas semanas corridas de férias. | Henry Milleo/Gazeta

    Direito do Trabalho

    Entenda as mudanças sobre férias na reforma trabalhista

  2. Prédio da prefeitura de Curitiba: Chefe do Executivo municipal, prefeito administra  serviços públicos. | Daniel Castellano/

    Instituições

    Entenda o que faz o vereador, o prefeito e o vice-prefeito

  3. artigo

    A multa de 10% do FGTS é indevida na dispensa sem justa causa

PUBLICIDADE