Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Vida Pública

Fechar
PUBLICIDADE

operação carne fraca

Empresa de Curitiba é acusada de ‘maquiar’ carne podre

Investigações da Operação Carne Fraca começaram a partir de denúncias de fiscal do Ministério da Agricultura envolvendo a Peccin Agroindustrial

  • Atualizado em às
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

A Operação Carne Fraca começou a partir de denúncias do fiscal agropecuário Daniel Gouvêa Teixeira envolvendo o suposto conluio de agentes sanitários do Ministério da Agricultura com uma indústria de processamento de alimentos de Curitiba, a Peccin Agroindustrial Ltda. – que tem sede no bairro do Umbará. As investigações indicam que, em troca de propina, os fiscais que participavam do suposto esquema faziam vista grossa a diversas irregularidades – que incluíam até mesmo a utilização de carne podre na fabricação e salsichas e linguiças e a adição de substâncias para “maquiar” a matéria-prima estragada.

Teixeira relatou à Polícia Federal (PF) que foi afastado de suas funções por sua superiora no mesmo dia em que determinou a suspensão das atividades da Peccin, numa fiscalização de 2014. O fiscal havia determinado o fechamento da Peccin após constatar que a empresa estava usando subprodutos do abate de frango em substituição à carne bovina na fabricação de diversos produtos. O objetivo seria aumentar os lucros da empresa.

Ministro da Justiça aparece em gravações da Operação Carne Fraca

Segundo o despacho do juiz Marcos Josegrei da Silva, que autorizou a operação na PF, as investigações confirmaram as irregularidades e descobriram outras a partir de materiais fornecidos por Teixeira e depoimentos de três ex-funcionárias da Peccin.

Alvos da Operação Carne Fraca foram indicados por deputados federais do Paraná

Ácido ascórbico

Uma ex-auxiliar de inspeção, denunciou a “maquiagem” de carnes estragadas por meio da adição de ácido ascórbico – nome técnico da vitamina C. Segundo o despacho que autorizou a operação, a vitamina C é uma substância cancerígena . Mas isso pode ocorrer somente com a ingestão de altas doses e no longo prazo, o que provoca a sobrecarga dos rins e pode levar ao câncer.

Uma médica veterinária que também foi funcionária da Peccin relatou ter visto a entrada de carregamentos de carne estragada na Peccin. Uma assistente dessa veterinária confirmou o relato de que substâncias ilegais eram adicionadas à carne para esconder que ela estava podre.

Garoto propaganda da Friboi, Tony Ramos diz que tem carnes da marca em seu freezer

A Peccin também é acusada de estocar carne em local sem refrigeração, usar carne em seus produtos em quantidade muito menor do que a descrita ao consumidor e falsificar notas de compra do produto.

A partir dos relatos iniciais do fiscal Daniel Gouvêa Teixeira, a PF começou a investigar outras empresas suspeitas de participar do suposto esquema de corrupção.

A Gazeta do Povo ligou para a Peccin e buscou falar com a diretoria da empresa nesta sexta-feira (17). Mas ninguém atendeu às ligações.

Outra Peccin

A empresa Peccin S/A, que produz doces e chocolates e tem sede no Rio Grande do Sul, emitiu nota à imprensa para destacar que não tem nenhuma relação com o frigorífico paranaense envolvido na Operação Carne Fraca. “O uso indevido da marca, há tempos questionado na Justiça, afeta a imagem e a reputação da Peccin S/A, empresa familiar que há mais de meio século conduz os seus negócios com correção e retidão, seguindo os mais elevados princípios da ética”, diz a nota da empresa gaúcha.

Siga a Gazeta do Povo e acompanhe mais novidades

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida Pública

PUBLICIDADE
Acompanhe a Gazeta do Povo nas redes sociais